Pela 1ª vez em série histórica de Franca, café ultrapassa calçado em exportações

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 22 de janeiro de 2021 às 07:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

De acordo com o Departamento de Negócios Internacionais da ACIF, efeitos da pandemia, investimentos e alta safra contribuíram para o resultado

Em Franca, exportação de café supera a de calçados pela 1ª vem em série históricaEm Franca, exportação de café supera a de calçados pela 1ª vem em série histórica

Um levantamento do IE-ACIF (Instituto de Economia da Associação do Comércio e Indústria de Franca) e do DNI-ACIF (Departamento de Negócios Internacionais da ACIF) mostrou que, pela primeira vez na série histórica do Ministério da Economia, iniciada em 1997, o calçado não foi o produto mais exportado pela cidade de Franca.

Em 2020, o ranking de exportações locais foi liderado pelo café, sendo Itália e Alemanha os principais consumidores externos da bebida local.

De acordo com a coordenadora do DNI-ACIF, Suyara Águila, os efeitos negativos da pandemia para os Bens de Consumo, os positivos para Alimentos e Bebidas bem como a alta safra do café em 2020 e estratégias locais, influenciaram a Balança Comercial da cidade, o que levou ao fato inédito.

“Grandes players de café da cidade mudaram suas estratégias de comercialização, concentrando em Franca os faturamentos para exportação que eram enviados a tradings de outras cidades”, afirma Águila.

“Também é preciso considerar que 2020 foi um ano de safra alta, gerando maior oferta ao mercado, bem acima da vista em 2019″.

“A pandemia, por sua vez, afetou o desempenho dos Bens de Consumo, onde o calçado está inserido. O Brasil, de modo geral, nunca exportou tão pouco calçados”.

“A pandemia afetou o comércio físico no mundo todo e isso deve ser considerado. Por outro lado, Alimentos e Bebidas, onde se insere o café, apresentou grande crescimento”.

“As pessoas, em casa, passaram a consumir mais destes itens”, diz a coordenadora, que ainda pondera.

“Se não houvesse o fator pandemia, teríamos, sim, um aumento nas exportações de café em razão das mudanças em estratégias de mercado e da alta safra, mas não teria sido suficiente para superar o calçado se este não tivesse sofrido queda em seu setor.”

De acordo a Abicalçados (Associação Brasileira das Indústrias de Calçados), o ano de 2020 foi difícil para o setor calçadista brasileiro, que pode ter perdido 21,8% da sua produção em 2020, retornando a patamares de 16 anos atrás (dado oficial do IBGE será divulgado até o fim deste mês).

Na exportação, a queda foi de 18,6%, pior número desde 1983. Em 2021, a estimativa é de incremento tanto em produção (+14,1%) quanto em exportação de calçados (+14,9%) brasileiros.

Já o café brasileiro bateu recorde de safra, chegando a 63 milhões de sacas.

Os dados são da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e leva em consideração sua série histórica iniciada em 2001, ano em que a safra correspondeu a 31,3 milhões de sacas.

Balança Comercial de Franca

Em 2020, a cidade de Franca exportou US$ 118 milhões, variação 13,5% menor em relação ao ano anterior, mas com superávit de US$ 104 milhões.

Apesar na queda das exportações observadas no ano passado, a participação da cidade nas exportações do estado se manteve em 0,3%, o que indica uma queda geral em São Paulo como um todo.

O café representou 52% das exportações de Franca, em 2020, chegando a US$ 61,8 milhões.

Seu crescimento foi de 45,5% em relação ao ano anterior. Se comparados os resultados de 2018 e 2019, o crescimento chega a 1.219%.

Já o calçado representou 29% das exportações de Franca, em 2020, chegando a US$ 61,7 milhões. Em relação a 2019, a queda foi de 49,2%.

Os principais países importadores dos produtos locais são os Estados Unidos, que representa 21% das exportações totais da cidade, seguido por Itália (16%) e Alemanha (10%).


+ Economia