Formula Chopp

Diante do aumento de dependentes químicos, Amarja oferece tratamento

  • Entre linhas
  • Publicado em 21 de março de 2019 às 11:32
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 19:27
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Entre as bases do acolhimento na Associação Mão Amiga Recanto da Janaína estão a laborterapia

A Amarja foi fundada em 2005 para o atendimento de dependentes químicos e alcoólatras (Foto: Reprodução)

A droga toma o corpo e domina a mente. Desfaz famílias, maltrata e até mata. O dependente fica fora de si. A procura por tratamento é, na maioria das vezes, o grito por socorro de quem já está no fundo do poço.

É nesta situação que a Amarja – Associação Mão Amiga Recanto da Janaína acolhe os dependentes químicos e de álcool do sexo masculino em Franca. O número de pessoas nestas condições tem aumentado nos últimos anos e a entidade, que é formada por um grupo de amigos que se uniram voluntariamente com o objetivo de devolver para a sociedade um pouco do que receberam, precisa da ajuda da comunidade para continuar oferecendo um atendimento adequado a quem precisa. Isto porque, segundo a presidente da Amarja, Edna Maria Honorato, os repasses recebidos dos governos estadual e municipal não são suficientes para a manutenção dos trabalhos realizados. “Grande parte dos recursos da entidade é proveniente de doações, de ações solidárias que realizamos e da Nota Fiscal Paulista”, destaca Edna.

Para contribuir com a Amarja, é possível doar qualquer quantia mensalmente ou através da doação da Nota Fiscal Paulista, cujos créditos das compras efetuadas serão repassados a ela (veja como proceder no vídeo abaixo).

Trajetória da entidade

A história da Associação Mão Amiga Recanto da Janaína começa em 2002, quando uma adolescente de 17 anos chamada Janaína lança a ideia de que no futuro fará do seu sítio um centro de recuperação para dependentes. Com o seu falecimento em 2003, o seu sonho para a sua família fica mais forte. Com a grandiosidade deste ideal, logo as ideias foram compartilhadas com outras pessoas, que fizeram com que este objetivo viesse a se tornar realidade.

Fundada em 21 de setembro de 2005, a instituição tem o compromisso de cooperar com as instituições públicas e particulares empenhadas na recuperação de dependentes, com um tratamento baseado na laborterapia, psicoterapia, disciplina, auto desenvolvimento e espiritualidade. “Nossa missão é contribuir com a prevenção e recuperação de dependentes químicos, proporcionando ao ser humano oportunidades para se viver com dignidade, buscando novos estilos de vida e, consequentemente, manterem-se sóbrios, saudáveis, produtivos e com relações familiares e sociais estáveis”, salienta Edna.

Na Amarja, o tratamento é baseado na laborterapia, psicoterapia, disciplina, auto desenvolvimento e espiritualidade (Foto: Reprodução)

O público-alvo da Amarja é adultos do sexo masculino dependentes químicos e alcoólatras que apresentem perfil conforme critérios de elegibilidade para internação em comunidade terapêutica. A internação se dá após avaliação psiquiátrica, encaminhamento médico por escrito, exames, avaliação do psicólogo da instituição e a participação do interessado no Grupo de Apoio.

As triagens são feitas por meio de uma entrevista com o interessado e sua família pela assistente social e psicólogo da instituição. Através de técnicas de abordagem, os profissionais levam o usuário a refletir sobre a importância do tratamento e tome conhecimento do trabalho desenvolvido na instituição. Nas entrevistas são observados os aspectos afetivos e sociais rompidos pela toxicodependência, bem como o desejo e a responsabilidade do dependente e dos familiares em levar o tratamento adiante.

Além disso, a Associação Mão Amiga Recanto da Janaína oferece semanalmente, aos familiares dos internos e ex-internos, atendimentos psicoterápicos sem custo, com terapia individual e grupal. Os atendimentos são realizados por psicólogos, tendo como objetivo preparar a família frente às dificuldades oriundas da drogadição. São usadas técnicas e abordagens para ajudar a família a compreender o que se passa com o dependente químico e saber a melhor forma de ajudá-lo.

A presidente da Associação Mão Amiga Recanto da Janaína, Edna Maria Honorato (Foto: Reprodução)

A entidade também desenvolve um Grupo de apoio direcionado a todas as pessoas que já tiveram experiência com o uso de substâncias. As reuniões acontecem toda quinta-feira, das 19h às 20h, na Rua Ouvidor Freire, 2090, sala 15. O grupo é conduzido também por um voluntário. Não tem nenhum vínculo religioso e é executado observando os valores da metodologia da Amarja. “O grupo aborda temas atuais, tendo como objetivo interpelar reflexões acerca da vivencia, comportamento e a prevenção do reuso, buscando sempre uma visão mais ampla acerca vida e as situações que nela ocorrem”, esclarece a presidente da Amarja.

Para conhecer mais sobre esse importante trabalho, basta acessar o site www.amarja.org.br ou as redes sociais da instituição. E para colaborar com a causa através de doações, os dados são:

Banco do Brasil
Agência 0053-1
Conta Corrente 46.218-7
Associação Mão Amiga Recanto Janaína

Mais informações pelo telefone (16) 3721-3623, ou à Rua Ouvidor Freire, 2090, salas 14 e 15 – Centro. E-mail: [email protected]


+ Filantropia