Papa Francisco lamenta que consumismo tenha ‘sequestrado o Natal’

  • Salvador Netto
  • Publicado em 20 de dezembro de 2020 às 16:53
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:12
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Papa convidou fiéis para aproveitarem estas datas marcadas pela pandemia para ajudar os outros

“Neste momento difícil, em vez de lamentar o que a pandemia nos impede de fazer, façamos algo pelos que têm menos. Não o enésimo presente para nós ou para os nossos amigos, mas para um necessitado em quem ninguém pensa”, pediu Francisco da janela do Palácio Apostólico.

O papa lembrou ainda que o período do Natal é propício para “preparar o coração” e não para “se deixar levar” pelo consumismo que normalmente caracteriza estas datas.

“Não vamos deixar-nos arrastar pelo consumismo, porque ‘devo comprar presentes, tenho de fazer isso’, por esse frenesi de fazer coisas. O que importa é Jesus. O consumismo, irmãos e irmãs, sequestrou-nos o Natal”, lamentou Francisco.

E acrescentou: “O consumismo não está na manjedoura de Belém. É realidade, pobreza e amor”, disse o papa.

Depois de rezar a oração mariana do Angelus, perante alguns fiéis que o ouviam na Praça de São Pedro, o papa voltou a lembrar os marinheiros que estão bloqueados nos seus barcos em todo o mundo e que não podem regressar a casa devido às restrições da pandemia de Covis-19.

A pandemia do novo coronavírus causou um problema específico aos trabalhadores marítimos, pois muitos deles, estima-se em cerca de 400.000 em todo o mundo, estão bloqueados em navios, muitos deles para lá do prazo dos seus contratos, e não podem voltar para casa”, explicou Francisco.

Por isso, o papa, natural da Argentina, exortou os governos a “fazer o possível para que estas pessoas possam estar com os seus familiares”.