Música alta pode causar muitos danos aos ouvidos: fones não oferecem proteção alguma

  • F. A. Barbosa
  • Publicado em 14 de novembro de 2021 às 19:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Volume de som direto nos ouvidos pode trazer diversas consequências à saúde como a surdez

Volume de som direto nos ouvidos pode trazer diversas consequências à saúde como a surdez

É uma pergunta muito comum mas muita gente ainda não sabe a resposta. Afinal, ouvir música muito alta pode provocar surdez?

Sim, é verdade. Ouvir música numa intensidade muito elevada pode prejudicar o ouvido interno e a audição. Saiba o porquê.

Existem de fato riscos de perdas auditivas quando se ouve música muito alta continuamente, explica Luísa Monteiro, coordenadora da Unidade de Otorrinolaringologia do Hospital Lusíadas Lisboa.

Os mais afetados são os profissionais que estão expostos a níveis sonoros muito intensos por longos períodos.

Mesmo quem usa fones de ouvido e não controla o volume do som é também afetado.

Ouvir música muito alto faz mal?

Sim, ouvir música numa intensidade muito elevada pode prejudicar o ouvido interno e a audição.

Não é apenas uma questão de intensidade, também depende do tempo de exposição e de características genéticas de algumas pessoas.

Profissionais como músicos, DJs ou funcionários de casas noturnas ou de eventos, correm maiores riscos de perderem audição por estarem frequentemente sujeitos a som num volume alto.

É pior se se usar fones?

Não. O risco está na intensidade do som e na duração da exposição ao som muito elevado.

Os fones não comprometem a audição, caso o volume esteja dentro do adequado. Produtos originais são mais seguros.

Ouvir música muito alta pode causar que tipos de danos?

A exposição ao ruído e a música muito intensa não é apenas prejudicial para o ouvido interno, comprometendo a audição, também é prejudicial em termos psicológicos.

Aumenta o estresse, pode provocar depressão, insônias e diminuir a atenção. Em certos casos, surgem zumbidos que condicionam muito a qualidade de vida.

Os zumbidos podem ser permanentes?

Podem. Depois de uma ida à discoteca, podem sentir-se zumbidos e uma ligeira perda auditiva.

Mas, depois de se descansar, desaparecem e volta tudo ao normal. No entanto, com a repetição da exposição a sons muito intensos, os traumas auditivos acumulam-se e são cada vez menos reversíveis.

Que outros ruídos além da música alta podem provocar danos na audição?

O ruído industrial (certas máquinas a funcionar, tanto em fábricas, oficinas como na construção civil, por exemplo), o ruído ouvido na pista, dos aviões a descolar e a aterrar, assim como explosões e situações análogas.

A partir de que decibéis o ruído se torna incômodo?

É difícil determinar objetivamente o incômodo, pois varia de pessoa para pessoa.

Para a Organização Mundial de Saúde, durante o dia, o ruído ambiente exterior perto dos edifícios de habitação deve estar abaixo de 55 decibéis, enquanto nos quartos, durante a noite, não deve exceder os 30 decibéis.

Que cuidados deve ter quem está frequentemente exposto ao ruído?

Deve usar protetores auriculares e fazer periodicamente exames de audiometria, que medem a capacidade de audição.

A legislação prevê que, caso sejam detetadas lesões, o trabalhador deve mudar para uma função que esteja mais afastada da fonte de ruído.