Mais um pente-fino do INSS começa em agosto; saiba quem pode estar na mira

  • Joao Batista Freitas
  • Publicado em 8 de agosto de 2021 às 16:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Objetivo da ação é identificar os benefícios previdenciários pagos indevidamente, assim como a situação de irregularidades nos cadastros

A partir deste mês de agosto, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começa a realizar o pente-fino com as revisões nos cadastrados do auxílio-doença dos brasileiros.

O objetivo da ação é identificar os benefícios previdenciários pagos indevidamente pelo Instituto, assim como a situação de irregularidades nos cadastros.

Segundo o portal Capitalist, os beneficiários de auxílio-doença que foram convocados devem ficar atentos, pois a data para agendar a perícia médica começa a vencer a partir a partir do dia 09 de agosto.

Para fazer a atualização do seu cadastro é necessário aprender alguns documentos como

a) – original de identificação com foto (RG, CNH ou CTPS);

b) – documentos médicos originais do beneficiário (exames, laudos, receitas para comprovar a doença e o tratamento);

c) – a procuração ou termo de representação legal (tutela, curatela, termo de guarda), se houver;

d) – procurador ou representante legal, se houver;

e) – documento de identificação com foto (RG, CNH ou CTPS) e CPF).

O que é o pente-fino?

É uma ação realizada pela autarquia para verificar os pagamentos dos benefícios e evitar fraude e pagamentos indevidos. Na gestão do presidente Jair Bolsonaro, o pente-fino nos benefícios por incapacidade se tornou recorrente para os segurados do órgão.

No mês de junho de 2019, foi sancionada a Lei 13.846, na qual foram definidos os critérios para a revisão de benefícios com indícios de irregularidade ou que não estão em dia com a perícia médica.

Quem está na mira do INSS?

Estão na mira desta força tarefa do pente-fino neste mês, os benefícios por incapacidade temporária, como o antigo auxílio-doença.

Ao todo, são mais de 170 mil beneficiários que compõem este grupo e precisam agendar uma perícia médica caso sejam convocados pela autarquia.