Formula Chopp

Em busca de otimizar espaços, cozinhas passam a ter formato de corredor

  • Entre linhas
  • Publicado em 20 de outubro de 2016 às 19:19
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 17:59
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Por conta disso, procura por projetos de ambientes planejados aumentou de forma significativa em Franca

Com imóveis cada vez menores, otimização dos espaços se tornou imprescindível

​Nos últimos anos, a cozinha se transformou no ambiente perfeito para receber familiares e amigos. Por isso, muitas pessoas desejam que esse lugar seja amplo e espaçoso. Mas querer nem sempre é poder, principalmente por conta da realidade que aponta uma tendência de imóveis cada vez mais compactos, o que vem transformando as cozinhas em verdadeiros corredores. Nos apartamentos, é muito comum que as cozinhas tenham um formato minúsculo. É aí que vale cada centímetro, cada segredo de aproveitamento. Você pode encontrar em apartamentos de três quartos, com até 130 m², cozinhas estreitas como opção de economia de espaço. “Nestes casos, o fundamental é projetar bem os armários e pensar na marcenaria, de maneira que fique funcional, sem atravancar o ambiente”, observa a arquiteta Ana Maria Silveira Borges.

Por conta disso, a procura por projetos de ambientes planejados sob medida tem aumentado de forma significativa em Franca. Que o dia Elizângela Ferreira Andrian, uma das diretoras da Jafer Móveis Planejados. “As pessoas nos procuram porque precisam otimizar o ambiente e com isso, ter um melhor aproveitamento”, diz. No mercado há 16 anos, a Jafer conta com uma ampla linha de móveis inteligentes. Na cozinha, por exemplo, indica ser possível colocar uma mesa dentro de um armário; nos dormitórios, pode-se projetar gavetas ou sapateira embaixo da cama, e assim por diante. “Nos imóveis onde os espaços são restritos, o ideal é contratar uma empresa de móveis planejados para que um projeto seja desenvolvido, atendendo a todas as necessidades do cliente”, salienta Elizângela, que dentro dos pedidos de projetos para cozinha que recebe, geralmente constam a busca pela funcionalidade sem deixar de lado a questão da estética. “As pessoas desejam espaço para que todos os eletrodomésticos fiquem embutidos e, com isso, as bancadas livres”, explica a diretora da Jafer Móveis Planejados.

Versatilidade

Especialista orienta que em ambientes estreitos o ideal é usar gabinetes sem puxadores sobressalentes

A arquiteta endossa as sugestões de Elizângela e reforça a tendência em apostar em móveis versáteis. Uma bancada retrátil, que serve como aparador, pode virar facilmente uma mesa para refeições. “Basta adicionar algumas cadeiras – dobráveis de preferência, estender uma toalha e dispor os pratos e talheres. Depois, escolha eletrodomésticos multifuncionais – processadores, por exemplo, podem ter várias funções”, sugere Ana Maria, lembrando que o segredo para as “cozinhas corredor” é apostar na decoração vertical. Isto é, use e abuse dos armários e módulos na parede, em todos os cantos, e até em cima da porta. “A ideia é encontrar espaço para acomodar todos os itens, deixando tudo organizado e livrando espaço do balcão e da área de circulação”, diz. Por conta disso, é possível aproveitar os vãos sobre a geladeira e o exaustor para criar módulos mais profundos, que devem ser usados para guardar utensílios pouco utilizados no cotidiano. Já sobre a pia, Ana Maria diz que os armários devem ser recuados e mais altos, podendo até serem substituídos por prateleiras abertas que armazenam e decoram ao mesmo tempo. “Em ambientes estreitos o ideal é usar gabinetes sem puxadores sobressalentes, assim, ninguém fica batendo a perna enquanto duas pessoas estão juntas na cozinha”, observa a arquiteta. Hoje em dia existem opções de puxadores que não ocupam espaço, como de cava – aqueles feitos na própria marcenaria ou com perfil metálico; de tic tac – que é só apertar no ponto certo para abrir e fechar a porta; de recorte – bolinhas ou retângulos recortados na madeira; entre outros.

Espaço ampliado

Para ampliar a sensação de largura e proporcionar maior conforto visual, Ana Maria sugere mesclar cores e objetos, criando texturas e volumes. “Ao contrário do que muitos pensam, o uso do branco em excesso não amplia os espaços. Para criar profundidade, pode-se optar pelo branco com elementos escuros, como a madeira que reveste parte das paredes e os armários pretos”. Acompanhando essa tendência, Elizângela diz que o que está em alta nos materiais para móveis planejados para as cozinhas são as cores amadeiradas e a linha Cristallo – alto brilho.

No piso, Ana Maria indica tons claros, mas não brancos, para que a sujeira não fique em evidência. “As cores fortes devem ser reservadas para detalhes, mas tudo depende do gosto e da ousadia do morador”, comenta a arquiteta que, como alternativa, sugere destacar objetos isolados, como uma geladeira ou um forno em tons vibrantes.

Como todo ambiente pequeno, a “cozinha corredor” pede um cuidado com a iluminação, já que muitas vezes não é possível ter grandes janelas para a entrada de luz natural. “A luz branca ou de LED é a mais indicada, que é o verdadeiro coração da casa, uma vez que ele tem que ser bem iluminado, de dia ou à noite, já que o objetivo é reproduzir com fidelidade as cores dos alimentos”, explica a arquiteta, ao esclarecer que a correta disposição das lâmpadas interfere na sensação de amplitude. “Não subestime esse aspecto e considere a possibilidade de adicionar pontos de luz extras, como nos armários e prateleiras”.

Outra solução é criar ambientes monocromáticos para eliminar a sensação de divisão. Já a valorização da iluminação natural pode ser obtida com o uso de persianas finas ou de materiais refletores, como o vidro e espelhos em portas de armários ou revestimentos de paredes. “A abertura de vãos um bom artifício para clarear o ambiente”, diz.