Estação Espacial vai cair na Terra; saiba qual o risco dela “acertar” alguém

  • Roberto Pascoal
  • Publicado em 7 de fevereiro de 2022 às 16:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Existem pelo menos 26 mil pedaços de lixo espacial do tamanho de uma bola de softball orbitando a Terra

Existem pelo menos 26 mil pedaços de lixo espacial do tamanho de uma bola de softball orbitando a Terra

Localizado a mais de quatro mil quilômetros da costa da Nova Zelândia e três mil ao norte da Antártida, o Ponto Nemo está tão longe da terra que os humanos mais próximos são frequentemente os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) – que orbita 420 quilômetros acima da Terra.

É precisamente esse afastamento que explica por que a ISS, uma vez aposentada em 2030, terminará seus dias lá, mergulhando na Terra para se juntar a outras estações espaciais, satélites e detritos espaciais desativados. Este é o cemitério espacial do mundo.

Nações espaciais têm despejado seu lixo na área ao redor do Ponto Nemo, em homenagem ao capitão Nemo do romance “Vinte Mil Léguas Submarinas”, de Júlio Verne, desde a década de 1970, segundo matéria da CNN Brasil – http://www.cnnbrasil.com.br.

Também conhecido como Polo Oceânico de Inacessibilidade ou Área Desabitada do Oceano Pacífico Sul, as coordenadas exatas do ponto mais remoto do mundo foram calculadas pelo engenheiro canadense-russo Hrvoje Lukatela em 1992.

Ponto próprio para descarte

Mais de 263 pedaços de detritos espaciais foram afundados nesta área desde 1971, incluindo a estação espacial russa Mir e a primeira estação espacial Skylab da Nasa, de acordo com um estudo de 2019.

Eles não são monumentos intactos à história das viagens espaciais, mas sim detritos fragmentados espalhados por uma grande área.

“Esta é a maior área oceânica sem ilhas. É a área mais segura onde se encaixa a longa zona de detritos após uma reentrada”, disse Holger Krag, chefe do Escritório do Programa de Segurança Espacial do Espaço da Agência Espacial Europeia (ESA).

O Ponto Nemo está além da jurisdição de qualquer estado e é desprovido de qualquer vida humana – embora não esteja livre dos vestígios de impacto humano.

Além do lixo espacial no fundo do mar, partículas de microplástico foram descobertas nas águas quando os iates da Volvo Ocean Race passaram pela região em 2018.

Melhor prática

O lixo espacial, como satélites antigos, reentra na atmosfera da Terra diariamente, embora a maior parte passe despercebida porque queima muito antes de atingir o solo.

São apenas os detritos espaciais maiores – como naves espaciais e partes de foguetes – que representam um risco muito pequeno para humanos e infraestrutura no solo.

As agências e operadores espaciais devem planejar com antecedência para garantir que eles caiam na Terra neste pedaço distante do oceano.

No caso da Estação Espacial Internacional, a Nasa disse que a ISS iniciará manobras para se preparar para a desórbita já em 2026, diminuindo a altitude do laboratório espacial, com expectativa de colidir de volta à Terra em 2031. Os horários exatos das manobras dependem da atividade do ciclo solar e seu efeito na atmosfera da Terra.

“A maior atividade solar tende a expandir a atmosfera da Terra e aumentar a resistência à velocidade da ISS, resultando em mais arrasto e perda natural de altitude”, disse a Nasa em um documento recém-publicado descrevendo planos para o descomissionamento da ISS.

Agências espaciais e operadores comerciais também devem notificar as autoridades no controle de voos e transporte – geralmente no Chile, Nova Zelândia e Taiti – sobre a localização, tempo e dimensões das zonas de queda de detritos.

Cerca de dois voos por dia passam pelo espaço aéreo, disse Krag. Essas autoridades produzem mensagens padronizadas enviadas ao tráfego aéreo e marítimo.

Um problema maior do que a espaçonave que acaba no Ponto Nemo, disse Krag, são os pedaços de foguetes de metal e espaçonaves fazendo o que é conhecido como uma “reentrada descontrolada” na atmosfera da Terra.

Em junho de 2021, a Nasa criticou a China por não “atender aos padrões responsáveis” depois que destroços fora de controle de seu foguete Longa Marcha 5B caíram no Oceano Índico.

“As nações que exploram o espaço devem minimizar os riscos para pessoas e propriedades na Terra com as reentradas de objetos espaciais, e maximizar a transparência em relação a essas operações”, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson, na época.

O foguete, que tinha cerca de 33 metros de altura e pesava quase 18.143 quilos, lançou um pedaço de uma nova estação espacial chinesa em órbita em 29 de abril, e então arrastou-se de volta ao chão.

Krag disse que, em média, 100 a 200 toneladas de lixo espacial reentram na atmosfera da Terra de maneira descontrolada todos os anos, mas a maioria dos especialistas em espaço considera a reentrada o resultado mais desejável para o lixo espacial.

A grande maioria fica acima de nós, onde pode colidir com satélites em funcionamento, criar mais lixo e ameaçar a vida humana em espaçonaves tripuladas.

E o tamanho?

Existem pelo menos 26.000 pedaços de lixo espacial orbitando a Terra que são do tamanho de uma bola de softball ou maior e podem destruir um satélite no impacto.

Mais de 500.000 têm o tamanho de uma bola de gude grande o suficiente para causar danos a naves espaciais ou satélites, e mais de 100 milhões de pedaços de detritos do tamanho de um grão de sal que poderiam perfurar um traje espacial, de acordo com um relatório da Nasa divulgado no ano passado.

Lixeira no oceano?

Desembarcar lixo espacial nas profundezas oceânicas do Ponto Nemo é a opção menos pior, disse Vito De Lucia, professor de direito do Centro Norueguês para o Direito do Mar da Universidade Ártica da Noruega. No entanto, não sabemos muito sobre o ambiente do mar profundo nesta área.

Algumas pesquisas sugerem que, por causa das correntes oceânicas naquela região – conhecida como Giro do Pacífico Sul – não é particularmente diversa biologicamente.

O oceanógrafo Autun Purser, pesquisador de pós-doutorado no Instituto Alfred Wegener em Bremerhaven, Alemanha, disse que esteve perto da área e que o fundo do mar provavelmente seria habitado por pepinos-do-mar, polvos e “peixes estranhos”.

“Geralmente, há uma baixa oferta de alimentos, pois está no meio do Giro do Pacífico, uma área de baixa produtividade com pouca ressurgência de águas ricas em nutrientes. Então, embora haja animais no fundo do mar, provavelmente não haverá uma alta biomassa lá embaixo”, afirmou.

Krag, da Agência Espacial Europeia, disse que os objetos espaciais que pousaram no oceano eram tipicamente feitos de aço inoxidável, titânio ou alumínio e não eram tóxicos.

“Não são mais do que algumas dezenas de toneladas métricas por ano. Os fragmentos que reentram não flutuam, mas afundam e, portanto, não são perigosos para o tráfego de navios. Em comparação com os muitos contêineres perdidos e navios afundados, a quantidade de hardware espacial é infinitamente pequeno.”

Ele observou que alguns combustíveis de foguetes são tóxicos, mas queimam durante a reentrada.

Krag disse que a ESA estava trabalhando no que ele chamou de tecnologia “projetar para o fim” que substituiria o alumínio, titânio e aço por materiais que derreteriam durante a reentrada.

Veja mais sobre o Ponto Nemo no vídeo a seguir:


+ Astronomia