Brasil já detectou 30 tipos diferentes de coronavírus; pesquisador explica

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 20 de novembro de 2020 às 04:07
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 08:56
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Não há estudos que mostrem que as variações do vírus causem sintomas mais graves dos que os já conhecidos

​​O Brasil já detectou pelo menos 30 linhagens diferentes do novo coronavírus. 

Felipe Naveca, pesquisador e vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), liderou um estudo que identificou oito linhagens diferentes do coronavírus na região amazônica. 

Em entrevista à CNN, ele explicou o motivo de as mutações do vírus não serem motivo de preocupação.

“Quanto mais o vírus é transmitido em uma população, mais ele acumula mutações. É um fenômeno natural, vai acontecer principalmente nos vírus que tem genoma RNA, como é o caso do novo coronavírus”. 

“Não é motivo de alarde, mas estamos monitorando. A priori, baseado no que sabemos para outros vírus, essas mutações não devem afetar o desempenho das vacinas [contra a doença], pois elas  devem ser suficientemente eficazes contra todas as variantes”, disse.

Naveca também afirmou que, até o momento, não há estudos científicos publicados que descrevem linhagens do coronavírus que causem sintomas mais graves para os seres humanos do que os já conhecidos desde o início da pandemia.

“Ainda não temos descrição de linhagem que afeta mais o sistema nervoso ou o pulmão. Isso pode ocorrer, seria uma situação mais rara, mas pode ocorrer e por isso [as mutações do coronavírus] são monitoradas no mundo inteiro.”

*Informações CNN Brasil