Formula Chopp

ACIF se manifesta contra regressão de Franca à fase vermelha do Plano SP

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 3 de março de 2021 às 20:15
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

A manifestação desfavorável à regressão diz respeito à situação do município em relação aos índices exigidos pelo próprio Plano São Paulo

ACIF se mostra contrária à regressão de Franca à fase vermelha do Plano SPACIF se mostra contrária à regressão de Franca à fase vermelha do Plano SP. Na foto, Tarcício Bôtto, presidente da ACIF

 

A ACIF (Associação do Comércio e Indústria de Franca) publicou uma nota oficial na qual se manifesta contra a regressão da cidade de Franca à fase vermelha do Plano São Paulo.

Desde o início da pandemia, a entidade tem se colocado a favor das medidas sanitárias de contenção do novo coronavírus e atuado como agente propagador de boas práticas com o intuito de preservar vidas, empresas e empregos.

Neste sentido, sua posição continua a mesma. A manifestação desfavorável à regressão diz respeito à situação do município em relação aos índices exigidos pelo próprio Plano São Paulo.

Os últimos dados apurados pelo IE-ACIF (Instituto de Economia da Associação do Comércio e Indústria de Franca) na data de hoje, 03 de março de 2021, apontam o DRS (Departamento Regional de Saúde) de Franca na fase laranja, com taxa de ocupação de leitos estabelecida em 63,4%, ou seja, abaixo da média de ocupação do próprio Estado de São Paulo, correspondente a 76,3%.

O indicador de internações por 100 mil habitantes no referido DRS está classificado com valor 36, dentro dos parâmetros de fase amarela.

Os demais indicadores (Casos e Óbitos) ainda classificam Franca na fase laranja, estando o indicador “Casos por 100 mil habitantes” estabelecido em 387 e “Óbitos por 100 mil habitantes” em 9.

A ACIF não vem a público para atacar as normas sanitárias postas, mas contestar mudanças abruptas nas regras estabelecidas pelo próprio Governo do Estado, o que gera insegurança e instabilidade.

A entidade buscará, por meio da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), uma interlocução com o Governo do Estado para que não se aplique, de forma injusta, restrições uniformes para realidades distintas.


+ Cotidiano