Gosta de mandar nudes? Então saiba como armazenar fotos picantes de forma segura

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 1 de março de 2021 às 08:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Os megavazamentos recentes, como a exposição de CPFs e de mais de 100 milhões de números de celular, acenderam um alerta quanto à segurança virtual

Arquivos íntimos devem ter proteção extraArquivos íntimos devem ter proteção extra

 

O armazenamento em nuvem é muito usado para realizar backups e liberar espaço em celulares, mas ainda gera desconfiança e insegurança quando o assunto é fotos íntimas.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky em parceria com a consultoria Corpa, 48% dos brasileiros consideram perigoso armazenar esse tipo de conteúdo nesses serviços e 18% não salvariam os arquivos pessoais por vergonha.

Os megavazamentos recentes, como a exposição de CPFs e de mais de 100 milhões de números de celular, acenderam um alerta quanto à segurança virtual.

No entanto, uma parcela da população ainda confia no armazenamento em nuvem. Segundo os resultados da pesquisa, 36% dos entrevistados disseram que armazenariam as fotos íntimas na nuvem caso fosse necessário.

Vale destacar que a garantia da integridade do conteúdo também depende do usuário, que pode adicionar recursos que dificultam a invasão de seus arquivos.

É seguro armazenar imagens íntimas na nuvem?

Embora possa ser considerado um serviço seguro, a nuvem pode sofrer ataques de cibercriminosos, como já aconteceu anteriormente.

O acesso a arquivos sensíveis, como as fotos íntimas, pode fazer com que a vítima sofra extorsão sob ameaça de publicação desses nudes na internet, afirma Fábio Assolini, analista de segurança sênior da Kaspersky.

O ideal é apagar fotos e vídeos íntimos do celular e do serviço de nuvem após serem enviados e recebidos para evitar que hackers capturem esses conteúdos.

Também é importante que seu parceiro ou parceira realize o mesmo procedimento.

*Informações TechTudo