Escuta Ativa, trabalho efetivo e feito com carinho em defesa das mulheres francanas

  • F. A. Barbosa
  • Publicado em 10 de outubro de 2021 às 13:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Objetivo é orientar e incentivar as mulheres vítimas de violência doméstica a denunciarem agressores

Ministério Público

Objetivo é orientar e incentivar as mulheres vítimas de violência doméstica a denunciarem agressores

Um canal direto de comunicação entre o Ministério Público de Franca e as mulheres vítimas de violência doméstica. Esta é a função principal do Escuta Ativa.

Trata-se de uma iniciativa do Ministério Público que ter por objetivo dar voz às mulheres vítimas de violência doméstica na cidade.

O promotor de Justiça, Cláudio Escavassini, está à frente do Escuta Ativa, junto com sua esposa, a advogada Carolina Escavassini, coordenadora da Comissão de Defesa da Mulher da OAB de Franca.

“Eu percebi que, como promotor de Justiça, precisava me capacitar mais para atender essas mulheres. Foi assim que me envolvi muito com este trabalho, tão importante”, afirmou Escavassini.

“A Justiça Penal não dá conta desse combate. Os números vêm aumentando. Aí focamos nas ações preventivas e, com a pandemia, criamos o Escuta Ativa, para humanizar, prevenir, orientar e direcionar”, afirmou Carolina Escavassini.

Sigilo e orientação

O promotor define o Escuta Ativa como um canal a distância, totalmente sigiloso, pelo qual as mulheres podem relatar casos de violência e buscar também informações sobre o tema.

“De fevereiro para cá já atendemos mais de 150 mulheres, cadastramos todas elas. Elas não precisam de identificar, o familiar que denuncia também não tem que se identificar. Como agentes facilitadores, vamos dar primeiro o acolhimento, depois dar as orientações e encaminhamentos”, afirmou Cláudio.

Entre as ações, o Escuta Ativa encaminha as mulheres, quando necessário, para a Defensoria Pública e assistência social, entre outros atendimentos.

Assistência jurídica

Outros serviços são relacionados com Escuta Ativa e também focam a proteção da mulher. Todas as quintas-feiras, por exemplo, a OAB presta assessoria jurídica para mulheres que necessitam deste suporte.

“Fazemos acolhimento jurídico no CRAM – Centro de Referência no Atendimento à Mulher -, que fica ao lado da DDM, das nove horas ao meio-dia. São advogadas capacitadas na proteção da mulher, que vão atender e orientar”, explica Carolina.

Jovem Consciente

O projeto Jovem Consciente é outro trabalho realizado em Franca, idealizado pela advogada Ana Beatriz Junqueira, também da Comissão de Defesa da Mulher da OAB, e voltado a crianças e adolescentes, com foco na conscientização do respeito aos direitos e à defesa das mulheres.

“É voltado para os jovens do Ensino Médio das escolas públicas, aos quais falamos de violência contra a mulher, racismo, machismo, também como uma forma de conscientização e prevenção”, explicou Carolina.

Canais de comunicação

Os canais estão disponíveis no WhatsApp, pelo telefone (16) 99184-4403, e no Instagram, pelo perfil @institutoescutaativa. A identidade das pessoas será mantida em sigilo.

O perfil do Instagram também tem informações para profissionais que atuam no enfrentamento à violência doméstica, familiar e de gênero, indicando conteúdos jurídicos e técnicos.


+ Serviços