Descoberta proteína que pode evitar quimioterapia em tratamento de câncer

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 1 de novembro de 2020 às 03:43
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 07:06
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Avanço importante para as terapias oncológicas promete revolucionar tratamentos para vários tipos de câncer

Equipe de pesquisadores de Genética Médica do instituto italiano

A descoberta desta proteína vem do Instituto De Bellis de Castellana, na Puglia, Itália, e no futuro poderá evitar a quimioterapia.

É um avanço importante para as terapias oncológicas e promete revolucionar os tratamentos para vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama, cólon, ovário e pâncreas.

A pesquisa, liderada pelo professor Cristiano Simone e apoiada pela Airc Foundation em colaboração com o NIH dos Estados Unidos, foi publicada na revista Science.

“Nossa descoberta expande o que chamamos ‘letalidade sintética’, que permite a morte direcionada apenas das células cancerosas, poupando as saudáveis”, diz Cristiano Simone.

A proteína​

Em 8 meses de pesquisa, os cientistas italianos descobriram o papel do gene SMYD3, que produz uma das proteínas envolvidas no reparo do nosso O DNA.

Ao bloquear esse gene de forma direcionada, as células cancerosas são incapazes de reparar seu DNA e morrer.

Em oncologia, isso aumenta a possibilidade de intervir com terapias que matam apenas células cancerosa e evita a destruição do tapete de células saudáveis ​​e doentes, induzida pela quimioterapia – em vários casos de câncer.

Quimio​

Uma vez criadas as drogas, esta terapia pode ser aplicada em grupos significativos: em 15% dos casos de câncer de mama, 15% dos casos de câncer de ovário, 11% dos casos de câncer de cólon e 10% dos casos de câncer de pâncreas..

O gene é conhecido há vários anos, mas até agora ninguém havia entendido sua função, ou seja, reparar células, tanto saudáveis ​​quanto cancerosas.

“Agora nosso objetivo é desenvolver inibidores SMYD3  para uma terapia medicamentosa combinada”, disse Gianluigi Giannelli, concluiu o responsável científico do Instituto.

*Informações do Positizie