Formula Chopp

Comissão aprova corrigir tabela do IR em 32%; isenção subiria para R$ 2.512,00

  • Nene Sanches
  • Publicado em 16 de junho de 2021 às 09:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O substitutivo atualiza a tabela e as deduções em 31,92% para 2021, aplicando o IPCA acumulado desde a última correção, em 2015.

Depois de aprovado na Comissão de Finanças, projeto segue para apreciação da Comissão de Constituição e Justiça e Comissão de Cidadania

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados aprovou proposta que corrige os valores da tabela mensal do Imposto de Renda (IR).

Além disso, aprovou a alteração das deduções previstas em lei, e um item que determina a atualização periódica conforme a inflação (IPCA) acumulada no ano anterior.

O texto aprovado foi o substitutivo do relator, deputado Eduardo Cury (PSDB-SP), ao Projeto de Lei 6094/13, do ex-deputado Vicente Candido e outros três parlamentares.

O relator incorporou partes de três apensados, recomendando ainda o arquivamento de outros oito.

Automatismo

“Devemos aproveitar a oportunidade para dar tratamento definitivo ao tema, garantindo correções automáticas da tabela do IR e das deduções, evitando a necessidade de voltar ao assunto todos os anos”, disse Eduardo Cury.

O substitutivo atualiza a tabela e as deduções em 31,92% para 2021, aplicando o IPCA acumulado desde a última correção, em 2015.

Isso deixaria isento de pagar IR quem ganha até R$ 2.512 mensais. Hoje, o limite de isenção é de R$ 1.903,98.

A partir de 1º de janeiro de 2022, anualmente haveria atualização pelo IPCA do ano anterior.

Todas as tabelas

Além da tabela mensal, seria corrigido o valor máximo para desconto simplificado na declaração anual.

Nas deduções (mensais e anuais), os ajustes seriam feitos na parcela isenta de pensão, aposentadoria, reserva remunerada e reforma de maiores de 65 anos e nos limites dos gastos com instrução e por dependente.

O projeto tramita em caráter conclusivo e ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.


+ Economia