Formula Chopp

A ameaça cada vez mais próxima de Franca: Ribeirão Preto pode decretar lockdown

  • Robson Leite
  • Publicado em 16 de março de 2021 às 15:00
  • Modificado em 16 de março de 2021 às 15:07
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O aumento de casos e a falta de leitos de UTI, tanto nos hospitais públicos como nos particulares, está levando as autoridades a ampliar as restrições

O que as autoridades epidemiológicas de Franca mais temiam está muito perto de acontecer: um fechamento ainda mais restrito, quase que um lockdown.

Ainda que contra a vontade de muitos, o lockdown é uma ameaça cada vez mais constante. O que se constata é que não dá para colocar o pé em duas canoas: não dá para falar que vai fazer isso e deixar acontecer o contrário.

O combate à pandemia de Covid não é uma luta de apenas um lado: é de toda a sociedade, incluídas as autoridades administrativas, políticas, médicas, sanitárias, empresários, industriais, lojistas e população.

Para se ter uma ideia, a Prefeitura de Ribeirão Preto (SP) anunciou nesta terça-feira (16) o fechamento de atividades essenciais e a restrição na circulação de pessoas na cidade por ao menos cinco dias contra o avanço da pandemia da Covid-19.

Segundo o G1, o prefeito Duarte Nogueira disse que a cidade entrará em “lockdown”.

Válidas a partir desta quarta-feira (17), as restrições devem se estender pelo menos até domingo (21), e são mais rígidas do que as recentemente impostas pela fase emergencial decretada pelo governo do estado.

Com isso, somente serviços emergenciais poderão funcionar e atividades até então permitidas para atendimento ao público, como supermercados, padarias e oficinas mecânicas, poderão operar apenas por delivery.

Pouco depois do anúncio, mercados da cidade começaram a registrar filas.

A questão é uma só: as autoridades chegaram à conclusão de que sem as medidas as pessoas vão morrer nos corredores dos hospitais. Não há capacidade de atender todo mundo.

Mesmo em Franca, a situação está perto de desesperadora: de acordo com o último boletim da Vigilância Epidemiológica, da noite de segunda-feira, 15, a cidade registrou, desde o início da pandemia, 20.665 casos positivos de coronavírus.

Na noite de segunda-feira, dos 52 leitos de UTI SUS disponíveis, 46 estavam ocupados. Dos 34 leitos de UTI particulares, 30 estavam ocupados.

O avanço da doença está tão rápido com esta segunda onda, que, de um dia para o outro podem acabar as vagas, devido ao agravamento de alguns pacientes. Não é alarmismo, é fato.

O mais grave é que as cidades vizinhas de Ribeirão estão recebendo a mesma orientação. Na nossa região, o governo de Minas Gerais já fez várias restrições.

O governo municipal de Franca tenta evitar a proliferação, mas os esforços não estão sendo suficientes diante da realidade de agravamento da pandemia.


+ Saúde