Sergio Guizé se lança como cantor solo e agradece Bianca Bin

  • Salvador Netto
  • Publicado em 16 de dezembro de 2020 às 03:01
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:47
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Durante a pandemia, ele sentiu a necessidade de colocar para fora o que sentia em forma de música

(Vitor Moreno – Folhapress) – Conhecido do grande público principalmente por papeis em novelas da Globo, Sergio Guizé, 40, não tem receio de começar tudo do zero. 

Durante a pandemia, ele sentiu a necessidade de colocar para fora o que sentia em forma de música e, no início do mês, lançou seu primeiro single da carreira musical solo.

Trata-se de “Mochileiro”, que já está disponível em plataformas digitais. Em breve, no começo de 2021, ele também deve lançar seu primeiro EP, produzido pela Zulim Sounds. “Eu não tenho pretensão nenhuma, de verdade”, afirma Guizé durante conversa com a imprensa

.

“Algumas poucas boas pessoas gostam muito. Estou dividindo com eles. Sempre vão esperar muita coisa de mim, mas a cada personagem esperam muito também, vêm umas críticas de algumas pessoas que às vezes não querem nem entender”, acrescenta o ator, que é avesso às redes sociais.

Guizé exemplifica com um vídeo que ainda nem havia estreado no YouTube e já tinha gente dizendo que não havia curtido. “É normal”, garante. “Assim como diz você não é obrigado a gostar, eu sou obrigado a levar a sua opinião em conta.”

O mesmo não acontece com a opinião da esposa, Bianca Bin, 30, que ele diz consultar a todo momento. A atriz, inclusive, foi parceira na composição de uma das faixas a serem lançadas. “[Ela é uma] super inspiração”, derrete-se.

“Ela é talvez a grande responsável, foi quem me deu o empurrão [para lançar o projeto]”, diz. “É a minha grande companheira, estamos ligado 24 horas por dia. Eu pergunto tudo para ela, palavra por palavra, letra por letra, composição por composição.”

“Seria muito mentiroso se eu dissesse que não houve nenhuma influência dela”, afirma. “Não teria como eu fazer diferente, escrever outras coisas, se não fosse o momento que eu estou vivendo, um momento que eu estou vivendo ao lado dela.”

Inclusive, o casal atualmente mora em uma casa cercada de verde em Indaiatuba (interior de SP). Natural de Santo André (região do ABC paulista), ele foi apresentado à região pelo amigo Lima Duarte, 90. 

“Estou muito feliz vivendo aqui com a Bianca, com os cachorros e escrevendo muito, lendo muito… Eu penso que eu pude focar no trabalho. Esse disco só foi possível por eu estar aqui, por ter um porto seguro”, diz.

A vida mais afastada dos grandes centros ajuda o casal a manter os pés no chão. “Não sinto nada de especial, diferente dos outros”, afirma. 

“Minha vida está boa assim. Tenho meus amigos de sempre, faço as mesmas coisas de sempre, que é música, teatro, e assistir ao jogo do Corinthians… Eu quero manter assim para continuar a ler coisas interessantes e a aprender com outros artistas, já que ninguém faz nada sozinho.”

“Eu sei que muita gente não teve a sua oportunidade na pandemia, teve que sair para trabalhar e não tinha nem como parar, não tinha em casa…”, lembra. “Tentei honrar essas pessoas para ser útil de alguma forma.”

Inclusive, isso foi determinante para que o projeto solo acontecesse. Quem o acompanha de perto sabe que a música não é exatamente uma novidade na vida dele. 

O ator liderou a banda Tio Che durante cerca de 20 anos. Com a banda, aliás, ele participou de programas como o “Superstar” e “Popstar”, ambos da Globo.

Com a pandemia, ele diz que não conseguiu se encontrar com os demais integrantes e decidiu prosseguir com o projeto sozinho. 

Mas afirma que a relação entre os músicos continua ótima e não descarta se reunir com os amigos quando a pandemia deixar (diversos shows que ele faria com a banda tiveram de ser adiados por causa da quarentena).

“Vamos esperar isso tudo passar”, diz. “Os outros integrantes também estão vivendo outras coisas, e acredito que isso será bem interessante. Porque, além deles serem talentosos, são grandes homens e estão sempre pensando em algo para oferecer para os outros.”

Mas não foi só a distância física que o levou a gravar o projeto sem os colegas. “Há músicas que não cabem no Tio Che”, avalia. 

“Estou colocando para fora como tudo que eu faço. Tinha que mostrar de um jeito ou de outro, é um movimento artístico. Se não tivesse aparecido em forma de música, talvez tivesse virado quadros”, diz o ator e cantor, que é formado em artes plásticas.

Inclusive, Guizé evita se definir como cantor. “Eu não me sinto nada técnico nem profissional”, afirma. “É muito do coração, de dentro para fora. As ideias saem por tudo quanto é lugar, e eu tento transformar o que estamos vivendo hoje: a dor, em poesia. Transformar tudo isso em algo palpável artisticamente.”