Paradoxo da carne: saiba como seu cérebro lida com o consumo de animais

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 16 de abril de 2022 às 22:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Se você se sente mal por comer carne, mas não consegue parar, então você pode estar lidando com o paradoxo da carne

A maioria das pessoas em todo o mundo consome alimentos de origem animal todos os dias

 

A maioria das pessoas come carne e laticínios diariamente, muitas vezes sem saber dos potenciais riscos à saúde — e ao meio-ambiente — trazidos pela prática.

E se você se sente mal por comer carne, mas não consegue parar, então você pode estar lidando com o paradoxo da carne.

Malefícios do consumo de carne

Segundo o “The Conversation”, de onde são as informações, a criação de gado é associada a diversos danos ambientais: além de ser responsável por cerca de 14% de todas as emissões de gases de efeito estufa produzidas pelo homem, a produção de carne bovina é o maior fator de perda florestal na agricultura.

A indústria da carne tem sido associada, ainda, a uma série de outros danos ambientais, incluindo a poluição da água.

Além disso, o consumo de produtos de origem animal pode fazer mal à saúde — especialmente carnes vermelhas e processadas, que podem aumentar o risco de câncer colorretal.

Com todos esses malefícios à saúde e ao planeta somados à crescente preocupação com animais — que muitas vezes são criados expostos a ambientes superlotados e repletos de doenças —, por que tantas pessoas ainda comem carne? Psicólogos podem explicar.

O que é o paradoxo da carne?

Trata-se da contradição mental que ajuda supostos amantes de animais a continuarem consumindo produtos de origem animal.

Esse dilema moral pode causar desconforto psicológico às pessoas ao perceberem pela primeira vez, por exemplo, que a carne em seus pratos veio de um animal previamente vivo.

O consumo de carne também tem consequências na forma como as pessoas interagem e percebem os animais na vida adulta.

Em um estudo de 2010, enquanto comiam carne bovina, os participantes eram menos propensos a ver os animais como dignos de preocupação moral.

E quanto mais alguém está comprometido em comer carne, maior a probabilidade de evitar informações sobre as qualidades positivas dos animais criados para a alimentação.

O desconforto que as pessoas sentem ao comer carne apresenta-lhes uma escolha difícil: ou acabam com o dilema moral abandonando a carne; ou continuam comendo carne, desvinculando-se moralmente.

As pessoas estão mais dispostas a comer carne quando suas origens animais são “esquecidas”, como chamar um bife de “carne bovina” ao invés de “boi”.

Dizer a si mesmas que a carne é necessária para a saúde, socialmente normal, natural ou “gostosa demais” pode reduzir a culpa que as pessoas sentem ao comê-la.

Desistir da carne pode parecer difícil. Por isso, pessoas recorrem, muitas vezes, a essas estratégias para reconciliar sentimentos conflitantes.

Como parar de comer carne

• Reconheça e lembre-se de como a redução do consumo de carne está alinhada com seus valores;

• Tenha sempre em mente os animais. Permita-se humanizá-los considerando, por exemplo, sua capacidade de emoção;

• Aceite que mudar sua dieta pode ser um processo gradual.

*Informações Isto É


+ Curiosidades