Liquidação do Magazine Luiza fica sem filas nas lojas de Franca

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 7 de janeiro de 2021 às 12:11
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Para evitar aglomerações, varejista ampliou para quatro dias período de tradicional promoção e estendeu ofertas para a internet

Magazine Luiza no centro de Franca, SP

Loja do Magazine Luiza no centro de Franca, sem filas em 2021 (crédito Igor do Vale)

Ao contrário dos anos anteriores, quando clientes passavam dias e noites na porta das lojas para a tradicional liquidação do Magazine Luiza, para aproveitar a esperada queima de estoque de janeiro, lojas em Franca, sede da empresa, não registram filas nesta quinta-feira (7).

Cartazes nas vitrines chamam a atenção dos consumidores para o novo coronavírus.

“Neste ano de 2021, não teremos fila da madrugada. Prezamos a saúde de nossos clientes e colaboradores. Venham mais cedo e garantam preços fantásticos.”

Em 2021, por causa da pandemia, as ofertas estarão disponíveis, pela primeira vez, no site e no aplicativo para celular.

A rede varejista diversificou a tradicional liquidação e decidiu ampliar os dias de ofertas.

Em sua 28ª edição, produtos com descontos de até 80% poderão ser comprados desta quinta-feira até domingo (10), e não só na sexta-feira (8), considerado o Dia D.

Em Franca, as unidades abrirão às 8h.

Em nota, a empresa informou que as lojas em todo o país funcionarão em horário comercial, respeitando as regras previstas nos decretos de cada cidade.

Antes, a abertura acontecia às 6h, com muita gente apertada e correndo atrás dos produtos.

Fila em loja do Magazine Luiza em 2020

Fila em loja do Magazine Luiza em 2020

Em 2020, consumidores de Franca começaram a formar fila na calçada antes mesmo da virada do ano, no dia 30 de dezembro de 2019, para a liquidação do Magazine Luiza.

Cadeiras foram colocadas na porta da loja para acomodar os clientes.

Primeira da fila, a cabeleireira Luciana Silva Santos chegou a passar três noites na rua para conseguir comprar uma máquina de lavar roupas e um celular.

Foi preciso um revezamento familiar para não perder o lugar e conquistar o objetivo.

Lucros no comércio eletrônico

De carona na explosão do comércio eletrônico deflagrada pela pandemia, a varejista viu seu lucro ter forte alta no terceiro trimestre de 2020, apoiada também na reabertura de lojas físicas e na diluição de custos.

Em novembro, a companhia anunciou que o lucro líquido ajustado de julho a setembro atingiu R$ 215,9 milhões, um salto de 69,6% sobre um ano antes.

O salto de 148% ano a ano das vendas digitais da companhia, a R$ 8,2 bilhões, fez o canal responder por dois terços das vendas, um avanço de 18 pontos percentuais.

A companhia avaliou ter tido ainda um ganho de 5,4 pontos percentuais ano a ano em sua área de atuação, refletindo entre outros fatores a integração de vendas on-line e lojas físicas, o que ganhou tração com a reabertura de pontos físicos, diante da flexibilização da quarentena.

*Informações G1