​Gilson conclui o mandato com algumas marcas que serão difíceis de superar

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 14 de dezembro de 2020 às 15:35
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Marca ainda pode mudar, mas mostra que Gilson passou muito tempo do seu governo assinando Portarias

​Mesmo derrotado nas eleições deste ano, o prefeito Gilson de Souza será notabilizado pela história como um político que colecionou alguns feitos em sua trajetória de vida pública que dificilmente serão superados.

Entre elas o recorde de nomeações para o 1º escalão do governo nos seus quatro anos de mandato, entre outras curiosidades.

Uma das poucas exceções é sua esposa, Cidinha Belchior de Souza, que começou o governo na presidência do Fundo de Solidariedade e ficou ‘imexível’, auxiliada pelo braço direito Alexandre Alonso.

Natural de Delfinópolis e pessoa de vida simples, consolidada no bairro da Santa Rita, Gilson de Souza foi ‘fisgado’ para o mundo da política pelo ex-prefeito Onofre Sebastião Gosuen, em 1982

Naquele grupo de Gosuen, além de Gilson de Souza, foram eleitas para a Câmara de Vereadores de Franca figuras conhecidas como Antônio Manoel de Paula (Tonhão), já falecido, Moacir de Almeida, Luiz Carlos Fernandes, entre outros.

Na época, em dobradinha com Ary Balieiro, seria eleito prefeito o radialista Sidnei Rocha com o slogan ‘Progresso em Todas as Direções’. Gilson, que também era conhecido como “Cianinha”, saía ao final das apurações das urnas com estrondosa votação para surpresa de muitos.

Por conta do seu trabalho identificado com os anseios da população, muito diálogo e ponderação nos embates no legislativo, aliado ao então prefeito, seis anos depois (aquele mandato foi maior), Gílson se reelegeria para um segundo mandato que cumpriu até o fim.

Ele não parou por ai. Avançando em sua trajetória, se elegeria deputado estadual e cumpriu quatro mandatos, somado a um período na coordenação de uma área habitacional na CDHU.

Até aí uma trajetória vitoriosa em todos os aspectos, até conseguir o ápice da carreira em 2016 (repetindo a síndrome dos 20 anos, já abordado neste veículo), quando reverteu no segundo turno um quadro que o imaginário popular jamais acreditaria, tamanha era a vantagem do seu oponente (o outrora aliado Sidnei Rocha), que por detalhes e diferença mínima não se elegeu no 1º turno.

Feitos difíceis de serem superados

Vereador por dois mandatos, deputado estadual por quatro, coordenador Estadual de Habitação, vice-presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), presidente da Associação Atlética Francana, da Escola de Samba Aliados da Santa Cruz e prefeito de Franca por quatro anos. Esta, resumidamente, pode ser descrita a biografia do político Gílson de Souza.

Por si só, feitos que dificilmente serão superados, mas entre eles um em especial e mais expressivo foi o número recorde de nomeações e exonerações feitas por ele apenas no 1º escalão de governo, que corresponde as funções de Secretários e Presidentes de Empresas, além de algumas coordenadorias estratégicas.

O Jornal da Franca fez um levantamento em todas as edições do Diário Oficial do Município, a partir de fatos conhecidos.

É até possível que tenha alguma imprecisão na somatória dessas mudanças, mas foram encontradas as trocas de 59 Secretários desde a primeira equipe há quase quatro anos. (Veja quadro ao final).

Nunca, em nenhum tempo, foi tão válida a máxima de seu slogan de governo.

Sem moderação, colaboradores de diversos segmentos e plumagens foram ‘prestigiados’ e puderam, cada um ao seu modo e dentro dos limites permitidos pelo chefe maior, dar sua contribuição para o desenvolvimento da cidade, fazendo justiça a marcada ‘Compartilhar e Avançar”.

A estrutura, inicialmente composta por 12 áreas, contando o Fussol, está terminando em dezembro com 15, considerando-se a criação das pastas de Assuntos Estratégicos, Esportes, Arte, Cultura e Lazer e Secretaria de Negócios Jurídicos.

É importante mencionar que a primeira equipe de Gilson teve, majoritariamente, nomes escolhidos a dedo por Sebastião Ananias, que pretendia fazer um governo técnico, deixando para Gilson de Souza a parte política.

Como bem demonstrou o tempo e a história, essa idealização não deu certo por força dos “grilos falantes” que giravam em torno de Gilson de Souza.

Mais de 50 mudanças

Confira na sequência as principais mudanças ocorridas pelas respectivas pastas na Prefeitura a partir de janeiro de 2017:

Chefia de Gabinete: Marcos Haber, Agostinho Ferreira, José Conrado Dias , Afonso Teodoro Filho e Alexandre César Diniz

Procuradoria Jurídica: Alexandre Trancho Filho e Gian Paolo Peliciari Sardini

Administração e Recursos Humanos: Sebastião Ananias, Alberto Cordeiro Donha e Luis Roberto de Oliveira

Planejamento Urbano: Virgínio Henrique Reis, Adailma Helena Ferreira, Eduardo Junqueira e Adailma Helena Ferreira outra vez.

Desenvolvimento: Flávia Olivito Lancha e Anderson Minamihara

Serviços e Meio Ambiente: Rosaura Garcia Zúccolo, Adriano Rodrigues Tosta e Sérgio Dorigan

Finanças: Sebastião Ananias, Neide Aparecida Lopes, Tânia Bertholino, Paulo Roberto de Souza, Deyvid Silveira e Tânia Bertholino, novamente;

Saúde: Rodolfo Moraes Silva, José Conrado Dias Neto, Luiz Carlos Vergara, José Conrado Dias Neto e Luiz Carlos Vergara

Educação: Silma de Alcântara Junqueira, Edgar Ajax Filho e Eduardo Ribeiro Guerra

Ação Social: Edgar Ajax Filho, Wanderlei Tristão (Tico), Eliete Maria Neves e Milton Querino dos Santos

Assuntos Estratégicos: Adriel Domingues Cunha, André Ricardo Plácido Cintra, Alexandre César Diniz e Djedah de Souza Lisboa

Segurança e Cidadania: Orivaldo Donzelli, Carlos Alberto Gatti, Márcio Antônio dos Santos

Esportes, Arte, Cultura e Lazer: Elson Bonifácio e William Matias

FEAC: Marlon Centeno, Jocely de Paula Mendes, Lucinéia Aparecida da Mata Oliveira e Elson Bonifácio

Emdef: Wanderlei Cintra Ferreira, Marcos Haber, João Flávio de Castro e Deyvid Alves da Silveira

Coordenadoria de Comunicação: Carlos Alberto Gatti, Saulo de Almeida, Nelise Luques, José Martiniano de Oliveira Júnior e Nelise Luques, novamente.

Composição do 1º escalão no início da gestão 2017-2020:

Maria Aparecida de Souza – Presidente do Fundo Social de Solidariedade

Edgar Ajax dos Reis Filho – Secretário de Ação Social

Flávia Olivito Lancha Oliveira – Secretária de Desenvolvimento

Silma de Alcântara Junqueira – Secretária de Educação

Sebastião Manoel Ananias – Secretário de Finanças

Rodolfo Moraes Silva – Secretário de Saúde

Virgínio Henrique Vieira Reis – Secretário de Planejamento Urbano

Orivaldo Donzelli – Secretário de Segurança e Cidadania

Sebastião Manoel Ananias – Secretário de Recursos Humanos

Rosaura Zúcolo – Secretária de Serviços e Meio Ambiente

Alexandre Trancho Filho – Procurador Geral do Município

Wanderley Cintra Ferreira – Diretor Presidente da EMDEF

1º Escalão atual, neste final de mandato

Maria Aparecida de Souza – Presidente do Fundo Social de Solidariedade

Alexandre Cesar Lima Diniz – Chefe de Gabinete

Milton Querino dos Santos – Secretário de Ação Social

Djedah de Souza Lisboa – Secretário de Assuntos Estratégicos

Anderson Mitsuhiro Minamihara – Secretário de Desenvolvimento

Eduardo Ribeiro Guerra – Secretário de Educação

Willian Cesar Matias – Secretário de Esporte, Arte, Cultura e Lazer

Tânia Fernandes de Carvalho Bertholino – Secretária de Finanças

Murillo Eduardo Silva Menzote – Secretário de Negócios Jurídicos

Adailma Helena Ferreira – Secretária de Planejamento Urbano

Luis Roberto Garcia de Oliveira – Secretário de Recursos Humanos

Luiz Carlos Vergara Pereira – Secretário de Saúde

Márcio Antônio dos Santos – Secretário de Segurança e Cidadania

Sérgio Dorigan – Secretário de Serviços e Meio Ambiente

Deyvid Alves da Silveira – Diretor Presidente da EMDEF