Exame de sangue pode prever o risco de uma pessoa ter Alzheimer

  • Entre linhas
  • Publicado em 19 de junho de 2020 às 22:16
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 20:52
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O teste é baseado em 31 marcadores genéticos; isso pode se traduzir em um diagnóstico muitos anos antes

Cientistas desenvolveram um teste genético que mede os níveis plasmáticos de uma proteína adesiva chamada beta amilóide. 

Essa proteína pode começar a se acumular no cérebro de pacientes com Alzheimer décadas antes de haver sinais externos da doença.

Uma varredura cerebral ou punção lombar geralmente é necessária para descobrir esses nódulos ou placas A-beta no cérebro. 

No entanto, as evidências indicam que os níveis de A-beta no sangue podem ser usados para prever se uma pessoa tem ou não essas placas cerebrais.

O teste é baseado em 31 marcadores genéticos; isso pode se traduzir em um diagnóstico muitos anos antes do que aqueles com um perfil genético de baixo risco.

Aqueles classificados entre os 10% superiores em termos de risco tiveram três vezes mais chances de desenvolver a doença de Alzheimer ao longo do estudo, e o fizeram mais de uma década antes dos que estavam nos 10% inferiores.

Rahul Desikan, da Universidade da Califórnia, disse que o teste pode ser usado para estimar o risco de qualquer indivíduo desenvolver a doença de Alzheimer.

Teste de pontuação

O chamado teste de pontuação de risco poligênico foi desenvolvido usando dados genéticos de mais de 70.000 pessoas. Incluindo pacientes com doença de Alzheimer e idosos saudáveis.

Sabe-se que a genética desempenha um papel na doença de Alzheimer. Cerca de um quarto dos pacientes tem um forte histórico familiar da doença. 

E os cientistas mostraram que isso é explicado em parte por um gene chamado ApoE, que é representado em três versões e é conhecido por ter uma poderosa influência no desenvolvimento da doença.

Novo foco

O último estudo adota uma nova abordagem. O que mostra que, além da ApoE, existem milhares de variações genéticas subjacentes que têm uma pequena influência no risco de Alzheimer; mas cuja influência cumulativa é substancial.

Os pesquisadores
primeiro identificaram quase 2.000 diferenças de uma letra; no código genético
(conhecido como SNP). Depois de classificá-los por influência, eles
desenvolveram um teste baseado em 31 dos marcadores.

James Pickett, chefe de
pesquisa da Sociedade de Alzheimer, disse que “prevenir o desenvolvimento de
sintomas de demência é o santo graal da pesquisa de Alzheimer. 

Mas, para ter
sucesso, primeiro precisamos de métodos precisos para prever quem tem maior probabilidade
de desenvolver a doença.

O foco deste estudo foi bem-sucedido em prever
a probabilidade de alguém desenvolver demência no próximo ano, mas precisa ser
testado em populações mais mistas e fora dos EUA. EUA. ”

Os resultados foram
publicados originalmente na revista PLOS Medicine .

*Psicologias do Brasil