Formula Chopp

Conheça 15 brincadeiras para você fazer em casa com seu filho gastando pouco

  • Bernardo Teixeira
  • Publicado em 24 de janeiro de 2021 às 19:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Brincar ajuda as crianças a desenvolverem várias habilidades, além de aliviar o estresse nesta quarentena

Você já deve ter ouvido a frase “brincadeira é coisa séria”. E de fato ela é. Brincar vai além do entretenimento e tem uma grande contribuição para o desenvolvimento da linguagem, das habilidades motoras e da autonomia dos pequenos, por exemplo.

Neste momento de pandemia, os pais estão precisando de muita criatividade para manter as crianças ocupadas e felizes após quase um ano de escolas fechadas.

“Nas brincadeiras a criança organiza emoções, treina relações sociais e regras de convívio, além de todas as suas possibilidades como ser humano”, explica Ana Carolina Veloso, pedagoga e escritora ao jornal “Extra”.

Muitas vezes reclamamos das crianças que não saem do celular ou da TV, quando, na verdade, elas foram estimuladas, desde cedo, a terem este tipo de entretenimento. Por isso, não aprenderam a brincar.

“O ideal é que as crianças não sejam forçadas a ‘queimar etapas’, ou seja, elas não podem avançar para o domínio das tecnologias sem antes terem sido estimuladas ao desenvolvimento de habilidades motoras. Por exemplo, para segurar o lápis e escrever, uma criança tem de aprimorar algumas habilidades relacionadas à coordenação motora fina. Essas se desenvolvem com brincadeiras”, diz Luciana Brites, psicopedagoga e CEO do Instituto NeuroSaber.

E de nada adianta pais e cuidadores desejarem que as crianças brinquem, se eles, que são seus exemplos, não brincam também. Os pequenos aprendem com os adultos como se brinca. Por isso, é fundamental que a brincadeira ocorra em parceria.

“É importante os pais participarem. No caso das crianças de até 4 anos, elas ainda não têm tanta autonomia para brincar sozinhas. No caso das maiores, a importância envolve a troca de afeto e conhecimentos”, finaliza Ana Carolina.