Formula Chopp

Variante de Manaus representa 80% dos casos positivos em Serrana no mês de fevereiro

  • Dayse Cruz
  • Publicado em 11 de março de 2021 às 14:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Sequenciamento de amostras identificou predominância da mutação do vírus na cidade escolhida pelo Butantan para estudo de vacinação em massa

Serrana é alvo de estudo de vacinação em massa

 

Um estudo conduzido pela Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto e do Hemocentro estima que 80% dos casos positivos de Covid-19 em Serrana, registrados no mês de fevereiro, são da variante P.1, com origem em Manaus (AM) e com mais potencial de infecção.

Os dados foram revelados pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, em coletiva de imprensa na tarde da última quarta-feira (10).

De acordo com ele, a P.1 já pode ser a principal cepa em diversos municípios do país, segundo análise feita no município paulista, alvo de estudo de vacinação em massa contra o coronavírus.

“Em Serrana, desde junho de 2020 nós fizemos um acompanhamento até hoje, e aí vimos que já em dezembro de 2020 apareceu já alguma coisa diferente em termos de mudança do vírus. (…) Agora, em janeiro e fevereiro, já passou a ser predominante a P.1, a mais agressiva. E isso pode estar acontecendo em outros municípios”, disse.

Para chegar ao dado, foi feito um sequenciamento genético de ao menos 30 amostras aleatórias de casos ativos em moradores da cidade, segundo o professor da USP e responsável pelo estudo, Rodrigo Callado.

Em fevereiro, de acordo com dados da Prefeitura, foram 484 casos confirmados. O total, desde o início da pandemia, é de 2.908, com 64 mortes.

Análise amostral

Callado explica que o sequenciamento também identificou a predominância da variante P.2, derivada da cepa brasileira B.1.1.28, em ao menos 50% dos casos confirmados em dezembro e janeiro.

“É uma pandemia dentro da outra pandemia, né? Isso mostra que o vírus varia muito, tem várias faces. Então, ele pode se metamorfosear e a gente está percebendo com essas variantes”, afirma.

O professor também explica que, por ser escolhida pelo Instituto Butantan para um estudo clínico de vacinação em massa contra a Covid-19, Serrana terá todos os casos positivos sequenciados a partir do início da pesquisa, em 17 de fevereiro.

Para ele, isso vai auxiliar nas pesquisas para comprovar a eficácia da CoronaVac nas variantes.

Na quarta-feira, o Instituto Butantan revelou resultados prévios positivos em relação às três variantes do coronavírus em circulação no país.

“Não necessariamente a gente vai sequenciar tudo agora, mas em algum momento, todas essas amostras a gente vai sequenciar. Provavelmente a gente ainda vai continuar amostral, mas até o final de estudo a gente vai ter o sequenciamento de todos os casos positivos até o final da vacinação”, afirma.

Butantan diz que vacina é eficaz

A pesquisa sobre a eficácia da CoronaVac contra as variantes britânica (B.1.1.7), brasileira (B.1.1.28) e sul-africana (B.1.351) foi conduzida pelo Instituto Butantan em parceria com pesquisadores da USP.

Segundo o governo paulista, os dados incluíram amostras de 35 participantes vacinados na Fase III, não necessariamente da cidade de Serrana.

“O estudo completo inclui um número maior de amostras, que já estão em análise. Os resultados completos serão divulgados posteriormente”, disse o governo de São Paulo em comunicado oficial.

Ainda segundo o comunicado, nos testes realizados pelo Instituto Butantan foram utilizados os soros das pessoas vacinadas, colhidos por meio de exame de sangue, para verificar a eficácia dos anticorpos gerados no combate às variantes.

“As amostras são colocadas em um cultivo de células e, posteriormente, infectadas com as variantes. A neutralização consiste em testar se os anticorpos gerados em decorrência da vacina vão neutralizar, ou seja, combater o vírus nesse cultivo”, disse o governo estadual.

*Informações G1


+ Saúde