Secretário de Saúde de Franca participa de vacinação contra Covid-19

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 16 de dezembro de 2020 às 18:55
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:51
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Vergara estará em Barretos nesta quinta, 17, e receberá, junto com outros profissionais, dose da Coronavac

A convite da Secretaria Estadual de Saúde, o secretário municipal de Saúde de Franca, Luiz Carlos Vergara, estará nesta quinta-feira, 17, no Hospital Santa Helena, na cidade de Barretos, onde ao lado de outros profissionais da área receberá como voluntário a primeira dose da vacina Coronavac, em sua terceira e última etapa de testes. 

O governo de São Paulo, através do Instituto Butantan está trabalhando de maneira intensa na produção do medicamento em larga escala para iniciar o atendimento da população em fins de janeiro de 2021.

O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse nesta semana que as autoridades responsáveis estão ultimando as providências relacionadas ao pedido de registro emergencial da CoronaVac.  

Essa vacina contra a covid-19 é produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, um dos maiores fornecedores de imunizantes ao Governo Federal, atendendo também laboratórios em geral.

O governo estadual apresentou o seu PEI (Plano Estadual de Imunização) contra a covid-19, prevista para o final de janeiro e o que está ocorrendo agora, depois de mais de 9 mil pessoas voluntariamente vacinadas inicialmente, é a ampliação do número de profissionais, atendendo as regiões do Estado. 

No caso da região de Franca, os exames protocolares e vacinação ocorrerão a partir das 13h em Barretos.

O secretário Vergara disse estar tranquilo e apenas contribuindo para uma causa pública que é saúde da população, onde estão em busca de 100% de eficácia para um mal que já dizimou perto de 190 mil vidas no País. 

Lembrou também, ser um defensor da saúde pública e seu sonho maior neste instante é que essa discussão sobre vacina saia do campo político e entre para o campo da ciência, seja a origem de qual farmacêutica for, desde que tenha a chancela de eficácia dos cientistas do País.

É de se registrar que o imunizante depende de prévio registro a ser aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para ser distribuído e disponibilizado a toda população. 

O plano nacional de imunização do Ministério da Saúde está previsto para início em março.