Saiba por que gritar causa efeito parecido com violência física em crianças

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 23 de dezembro de 2020 às 04:38
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:26
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Especialistas explicam como os pequenos se sentem e quais as consequências desse comportamento

Apesar de ser um hábito em muitas famílias, gritar causa efeito análogo à violência física no cérebro das crianças. 

De acordo com especialistas na área, os gritos ativam a produção do cortisol, o hormônio do estresse.

A psicóloga Henar Martín López explicou, em entrevista ao jornal El País, que isso acontece porque o organismo identifica a situação como perigosa. 

“Se costumamos gritar, uma quantidade muito elevada de cortisol é liberada no cérebro de nossos filhos, o que leva à desregulação emocional, ativando um estado de alerta contínuo”. 

“A consequência é que eles sentem medo cada vez que olhamos para eles e ficam inseguros com suas figuras de referência”, afirmou.

Conselheira do Instituto La Albuera de Segóviam, na Espanha, Natalia Redondo explicou que “berrar” com as crianças funciona apenas a curto prazo. 

Elas até podem obedecer às ordens, mas ficam traumatizadas.

“Se continuarmos a gritar como forma regular de educá-los, haverá um aumento dos níveis de ansiedade e estresse nas crianças, além de uma diminuição na autoestima, uma vez que elas não se sentem valorizadas pelos pais”, explicou.

Natalia salientou que, com o passar do tempo, a criança pode se acostumar com gritos e reproduzir o comportamento. 

Em contrapartida, os pais podem se sentir frustrados com a criação, mas ter dificuldades em interromper o ciclo vicioso. 

Segundo ela, crianças aprendem mais se espelhando em ações do que seguindo o que é dito.

Conforme Henar salientou, a melhor maneira de resolver conflitos com os pequenos é manter um diálogo pacifico e respeitoso, sem xingamentos, ofensas ou gritaria. 

“Dessa forma, valorizamos a autoestima e servimos de exemplo para resolver conflitos de forma segura e tranquila”, disse a psicóloga.

“Não vamos esquecer a importância de estabelecer limites e regras. Todos nós precisamos de rotina. É importante chegar a um acordo em família sobre quais seriam as consequências para seus atos”, finalizou Henar.

*Informações Metrópoles