Formula Chopp

Perda cognitiva é uma das sequelas da Covid-19, descobre estudo de neurocientista

  • Robson Leite
  • Publicado em 3 de maio de 2021 às 19:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pacientes, frequentemente, descrevem dores de cabeça, dores musculares, articulares e fadiga mental como sintomas pós-infecções

O pesquisador Fabiano de Abreu alerta sobre os perigos dos efeitos permanentes da doença no sistema nervoso em um estudo publicado no International Journal of Development Research.

Fabiano de Abreu é doutor em Ciências da Saúde nas áreas de neurociências e psicologia, mestre em psicanálise pelo Instituto Gaio membro da Unesco, especialista em propriedades elétricas dos neurônios em Harvard e voluntário do exército português para assuntos de coronavírus.

No levantamento, realizado em parceria com o médico e cardiologista Roberto Yano, o neurocientista Fabiano de Abreu mostra preocupação quanto aos traumas que o novo coronavírus gera no âmbito psicológico.

Isto porque ele conclui que o vírus pode penetrar nas células nervosas. Pacientes, frequentemente, descrevem dores de cabeça, dores musculares, articulares e fadiga mental como sintomas pós-infecções.

Somado aos efeitos do isolamento social — que diversos estudos já apontam como um potencializador de doenças da mente, como é o caso da ansiedade, síndrome do pânico e depressão —, a própria doença pode alterar a saúde mental.

Apesar dos estudos, ainda preliminares, apontarem uma gravidade não tão elevada, é ressaltado pelo neurocientista que essas sequelas não são tão fáceis de descobrir e completar um quadro clínico único.

“Mesmo quando os pacientes se recuperam fisicamente, visto que em casos de complicação o corpo fica bastante debilitado, há relatos de perda de memória, desorientação e confusão mental”, diz ele.

Ainda não é de conhecimento a causa dessas experiências, embora também possam derivar da inflamação generalizada que pode se desenvolver com a doença.

“É preciso alertar, porém, que não é incomum que essa fadiga e confusão durem meses, mesmo após um quadro leve da doença”, alerta.

Segundo o neurocientista, a atenção é necessária para avaliar se as sequelas são ou não irreversíveis.

“Pacientes com Covid-19, mesmo recuperados, ainda sofrem com a mudança no paladar e olfato, que pode ser irreversível. Isso está relacionado à lesão causada, principalmente, nos neurônios sensoriais, primários. Com os outros efeitos, a lógica pode ser a mesma”, finaliza Fabiano de Abreu.


+ Ciência