Formula Chopp

O que acontece quando seu cérebro não sabe distinguir entre em cima e embaixo?

  • Nina Ribeiro
  • Publicado em 2 de fevereiro de 2021 às 09:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pesquisadores dizem que as descobertas podem informar os modelos de como o envelhecimento pode afetar a capacidade de se mover e se equilibrar

A direção depende de como o nosso cérebro processa nossa orientaçãoA direção depende de como o nosso cérebro processa nossa orientação

 

O que lhe parece para cima pode, na verdade, ser outra direção, dependendo de como nosso cérebro processa nossa orientação.

Usando realidade virtual, pesquisadores descobriram que as pessoas diferem no quanto são influenciadas por seu ambiente visual.

A interpretação de um indivíduo da direção da força da gravidade pode ser alterada pela forma como seu cérebro responde às informações visuais.

Essa diferença pode ajudar a entender melhor como usamos as informações visuais para interpretar nosso ambiente e como agimos ao realizar outras tarefas.

“Essas descobertas também podem nos ajudar a entender melhor e prever por que os astronautas podem estimar erroneamente o quão longe eles se moveram em uma determinada situação, especialmente na microgravidade do espaço,” disse o professor Laurence Harris, da Universidade York (EUA), um renomado especialista em ciência da percepção.

Ilusão de Reorientação Visual

Nos experimentos de realidade virtual, os participantes deitavam-se em um ambiente virtual que havia sido inclinado para que o visual “para cima” ficasse acima de suas cabeças, e não alinhado com a gravidade.

Os pesquisadores descobriram que os participantes se enquadravam em dois grupos: um grupo que percebeu que estavam de pé verticalmente (alinhados com a cena visual), embora estivessem na verdade deitados, e um segundo grupo que manteve uma ideia mais realista de sua posição deitada.

A equipe chamou o primeiro grupo de “Vulneráveis à Ilusão de Reorientação Visual”.

Em decorrência de sua ilusão, elas sentem que estão se movendo mais rápido e mais longe do que as pessoas não suscetíveis à ilusão.

“Os resultados relatados neste artigo podem ser úteis quando pousarmos pessoas na Lua novamente, em Marte ou em cometas ou asteroides, já que ambientes de baixa gravidade podem levar algumas pessoas a interpretar seu movimento próprio de forma diferente – com resultados potencialmente catastróficos,” disse Harris.

As descobertas também podem ser úteis para os projetistas de jogos de realidade virtual, uma vez que certos ambientes virtuais podem levar a diferenças na forma como os jogadores interpretam e se movem no jogo.

Os pesquisadores dizem que as descobertas também podem informar os modelos de como o envelhecimento pode afetar a capacidade de se mover e se equilibrar.

*Informações Diário da Saúde


+ Ciência