Ministério libera vacina contra a gripe no SUS para população desde sábado (25)

  • Robson Leite
  • Publicado em 25 de junho de 2022 às 17:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Desde 4 de abril, apenas grupos prioritários, como idosos, crianças e gestantes, podiam se vacinar, mas adesão foi baixa

Desde deste sábado (25), estados e municípios estão autorizados a oferecer a vacina contra a gripe no SUS a todos acima de seis meses de idade, conforme decisão do Ministério da Saúde. O novo calendário, todavia, fica a critério de cada localidade.

A expansão se dá 80 dias após o início da campanha de imunização contra a influenza, que tinha como grupos prioritários idosos e profissionais de saúde.

Em maio, a segunda fase incluiu gestantes, crianças, indígenas, população carcerária, professores e outras categorias profissionais.

O público-alvo definido pelo Ministério da Saúde para a campanha deste ano é de 77,9 milhões de pessoas, mas somente 36,1 milhões de doses haviam sido aplicadas – cobertura de 53,5%, até sexta-feira (24).

Cobertura vacinal

Segundo o portal Notícias R.7, a cobertura vacinal é menor entre gestantes (35,2%) e crianças (42,6%). Cerca de 60% dos idosos buscaram a imunização até o momento, mesmo patamar dos profissionais de saúde.

Em 2021, os maiores contingentes dos grupos prioritários – idosos, crianças, gestantes, puérperas, indígenas e trabalhadores da saúde – tiveram uma cobertura vacinal de 72,8%.

O médico Renato Kfouri, membro da diretoria da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e da Câmara Técnica do PNI (Programa Nacional de Imunizações), chama atenção para o fato de que, anualmente, entre 70% e 75% das mortes por gripe ocorrem em idosos, gestantes, crianças, portadores de doenças crônicas e puérperas.

80 milhões de vacinas

“Uma vez que a campanha é prorrogada e não se alcança o objetivo de imunizar os grupos prioritários, é louvável que se amplie para todos, não faz sentido desprezar vacinas.”

O Ministério da Saúde encomendou 80 milhões de doses ao Instituto Butantan. Como menos da metade foi aplicada, o restante continuará sendo usado em quem chegar nos postos de saúde até que os estoques acabem.

Todos os grupos prioritários ainda poderão se vacinar, mesmo com a campanha expandida para outras faixas etárias.