Hoje é dia de celebrar: chegada do celular no Brasil completa 30 anos

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 27 de dezembro de 2020 às 13:33
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:48
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Além de ser uma ferramenta de informação e entretenimento, o celular hoje traz possibilidades de inclusão

O que era aquele aparelho grande colado ao ouvido e à boca das pessoas? 

Há 30 anos, os primeiros 700 equipamentos seriam habilitados no Brasil para uma das mais revolucionárias mudanças no ramo das telecomunicações, o telefone celular. 

A primeira chamada, no Rio de Janeiro, em 30 de dezembro de 1990, era só a ligação pioneira para as infinitas interconexões que essa evolução tecnológica provocaria. O mundo nunca mais seria o mesmo. 

Era o tempo dos chamados tijolões, que precisavam ser carregados na cintura por causa do tamanho, pois não cabiam nos bolsos das calças. 

Hoje, no Brasil, tem mais celular do que genteFazer ligação virou só um detalhe.

O equipamento é a principal forma de os brasileiros entrarem na internet

Até 2019, três em cada quatro brasileiros tinham acesso à internet e a telinha menor era a responsável pela maior parte dos acessos.

Mais do que isso: para a maior parte das pessoas (59%) o acesso à rede ocorria exclusivamente pelo telefone. 

Além de ser uma ferramenta de informação e entretenimento, o celular traz possibilidades de inclusão, com os aplicativos.

O Brasil fechou o mês de maio deste ano com 235,5 milhões de linhas de celular. O total foi 6,7 milhões menor do que o registrado em maio do ano passado. 

Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). As estatísticas medem os acessos e não o número de pessoas com linhas, já que diversas pessoas podem adquirir mais de um chip.

Do total de linhas registradas em maio, 144,15 milhões eram pré-pagas, o que representa 61%. No período de um ano, a queda desse tipo de acesso foi maior, chegando a 17,7 milhões. 

Enquanto isso, no mesmo período os contratos pós-pagos cresceram 11 milhões. Ou seja, embora o saldo dos últimos doze meses tenha sido negativo, a proporção de acessos pós-pagos aumentou no país. Em geral essa modalidade está relacionada a maiores pacotes de voz e dados.

No recorte por estado, São Paulo desponta com 65,5 milhões de linhas. O estado é seguido por Minas Gerais (22,4 milhões), Rio de Janeiro (20,5 milhões).