Falta antibiótico liquido nas farmácias, o que prejudica o tratamento das crianças

  • Joao Batista Freitas
  • Publicado em 21 de junho de 2022 às 12:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Os estabelecimentos relataram sofrer com a falta de antimicrobianos (os mais citados são amoxicilina+clavulanato e azitromicina)

Guerra na Ucrânia e lockdown na China atrapalharam distribuição, relatam farmacêuticos (Foto: Freepik)

De repente, as farmácias começaram a sentir a falta de vários medicamentos. Mesmo com os pedidos costumeiros de reposição, os remédios não chegam às prateleiras.

Segundo uma notícia do portal R.7 Notícias, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo foi a campo e realizou uma pesquisa. Das farmácias e drogarias que responderam o questionário da pesquisa, 98,52% confirmaram a carência de alguns produtos.

O que falta

Os estabelecimentos relataram sofrer com a falta de antimicrobianos (os mais citados são amoxicilina+clavulanato e azitromicina);

76,56%, com a falta de medicamentos mucolíticos (acetilcisteína e ambroxol);

68,66%, com a falta de medicamentos anti-histamínicos (dexclorfeniramina e loratadina);

60,59%, com a falta de medicamentos analgésicos (dipirona, ibuprofeno e paracetamol);

37,15% relataram a falta de outras classes.

Também em Franca

Fabrício Pedrosa, diretor da rede francana Drogafarma, disse que “os medicamentos em falta são principalmente em suas formulações líquidas, o que prejudica, em especial, a população pediátrica”.

É que a maioria dos medicamentos para esse público é na forma líquida por serem mais fáceis de administrar”, destacou.

Fabrício destacou que a falta começou a ser sentida no começo de maio, e desde então o suprimento ainda não foi normalizado.

Todavia, ele ressaltou que por comprar direto dos laboratórios, a Drogafarma está recebendo os medicamentos com mais frequência e antes que os demais estabelecimentos