Está demorando para acabar: como e quando usar teste de farmácia na 4ª onda de covid

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 25 de junho de 2022 às 10:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Depois de um salto expressivo no início do ano, o volume de casos de covid-19 no país voltou a aumentar neste mês de junho.

Conforme o boletim Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), são cerca de 35 mil novos diagnósticos da doença por dia, como indica a média móvel de sete dias (uma medida que suaviza as oscilações dos registros diários e mostra uma linha de tendência da pandemia).

O ritmo é mais de duas vezes maior do que o observado em abril, quando o Brasil contabilizava cerca de 15 mil novos diagnósticos por dia.

Fabrício Pedrosa, diretor da Drogafarma, disse que, cada vez mais, as pessoas estão procurando o autoteste nas unidades da rede. “É aquele que a pessoa leva para fazer em casa e o resultado sai na hora”, explicou.

Desde o surto de janeiro e fevereiro, o país conta com uma nova modalidade de diagnóstico — os autotestes de antígeno, aprovados pela Anvisa neste ano e comercializados nas farmácias a partir de março, que podem ser feitos em casa pelos próprios pacientes.

Tanto RT-PCR quanto os testes de antígeno — incluídos aí os autotestes e os testes realizados em farmácias e laboratórios — são feitos a partir de uma amostra coletada do nariz do paciente com uma haste longa, o swab.

Diferenças

Mas as semelhanças acabam por aí. O RT-PCR, também chamado de teste molecular, pesquisa o RNA do vírus, seu material genético, enquanto os testes de antígeno detectam uma proteína presente na estrutura celular do vírus.

Muita gente tem optado pelos testes de antígeno porque eles são mais baratos e apresentam resultado mais rápido. Os testes de antígeno, “guardadas as limitações”, são uma ferramenta útil para detectar os casos leves.

Quem está com uma manifestação grave de síndrome respiratória, seja ou não suspeita de covid, deve procurar o Pronto Socorro ou a Unidade de Saúde.

Aqueles que não apresentam sintomas graves — como falta de ar, desorientação e confusão mental, tosse permanente e desconfortável, febre persistente —, podem procurar os testes de antígeno.

Segundo uma notícia da BBC Brasil, para que os testes de antígeno tenham maior chance de sucesso, eles precisam ser realizados no momento certo, com uma técnica de coleta e mistura ao reagente apropriadas, aplicação adequada na célula de leitura e com o devido tempo de processamento.

Como ler o autoteste

Para quem optar pelo autoteste, é importante saber ler o resultado.

A lâmina de teste tem dois campos: C, de “controle”, e T de “teste”. Quando o resultado é negativo, a linha colorida aparece apenas na área C. Quando positivo, ambas as áreas ficam “pintadas” na lâmina.

O exame é considerado inválido caso apenas a linha T fique colorida, mas não a linha de controle; caso nenhuma das duas seja pintada ou se houver um grande borrão na lâmina.