Escritor francano Baltazar Gonçalves lança antologia poética Tanto Mar Entre Nós

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 17 de agosto de 2020 às 21:46
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 21:07
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Projeto reúne escritores do Brasil, Portugal e Angola. Carlos de Assumpção é um dos participantes

Com seu primeiro livro publicado em setembro de 2019 pela Editora Penalux, o escritor francano Baltazar Gonçalves hoje faz curadoria de projeto coletivo e lança a primeira antologia Tanto Mar Entre Nós.

Organizada com capricho pelo poeta e historiador Baltazar Gonçalves, a obra reúne escritores brasileiros e de além mar. 

O organizador se propôs, e conseguiu, oferecer ao leitor um painel representativo da poesia e do conto produzidos por autores contemporâneos lusófonos.

“Visamos a multiplicidade, por isso na obra, o leitor encontrará um diálogo entre gerações, estilos, gêneros literários (poesia, conto e crônica) e variações linguísticas inerentes ao lugar de fala, já que foram respeitadas as diferenças forma de acentuar, ou, pronunciar por escrito nossa língua aqui no Brasil, Portugal e Angola – a diversidade é nossa força”, afirma o poeta Baltazar.

Os jovens iniciantes Luís Felipe Ascelino, de 16 anos, e Vitor Luande Belém do Pará, se distinguem na sua geração pela paixão pela escrita enquanto sonham seu futuro apesar das lutas diárias comuns de norte a sul do país. 

Falando de experiência na vida e na arte de escrever, a antologia conta com a participação do poeta Carlos de Assumpção, Helena Souza e Marco Aurélio Vieira que trazem bagagem lapidada pelo tempo e um conteúdo denso e preciso. 

A multiplicidade da proposta alcança o outro lado do Oceano Atlântico, os leitores terão oportunidade de ler as invenções literárias do angolano João Apolinário Dalango e dos portugueses José Manuel Serradas, Malik e Patrícia Mara Noronha.

A produção literária contemporânea presente na antologia, mapeia autores e autoras cujas raízes culturais estão espalhadas pelo vasto território nacional.

Uma delas é Tárcia Caires Saad tem uma vida cigana e um pedacinho do coração em cada lugar que passou – EUA, Inglaterra, Araraquara, Inconfidentes e Poços de Caldas, em Minas Gerais –  e faz da sua experiência de vida relatos em tom íntimo e confessional traduzindo o universo feminino em crônicas saborosas ao estilo de Hilda Hilst.

Emarilaine Machado, Jéssica Kauana de Bastos, Rodrigo Bro e Rosinei Lamas compõem, cada um a seu modo, um retrato amplo das sensibilidades da alma em poemas cheios de lirismo e imagens de impacto imediato por traduzirem momentos cotidianos em eventos universais vividos por todos nós.  

O poeta da melancolia e da experimentação das linguagens, o francano Tânio Sad Peres Corrêa Neves, brinda o leitor com a imersão nas referência clássicas, ora angustiantes ora sublimes da vivência moderna, particularmente inspirado na atmosfera de Baudelaire e Walt Whitman.

A capa e os detalhes visuais do livro Tanto Mar Entre Nós são obras da artista plástica francana Regina Di Franca, compostas por marinas exuberante e ao mesmo tempo delicadas, com cores que impressionam e remetem às obras de Vincent van Gogh e Monet.