E-commerce deslancha, cria empregos e puxa pequenas empresas

  • Salvador Netto
  • Publicado em 26 de dezembro de 2020 às 18:06
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:43
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pandemia forçou o surgimento de um novo público consumidor e também diversificou o comércio virtual

(Folhapress) – O comércio eletrônico, que já crescia de modo expressivo no Brasil, deslanchou em 2020. Além da alta no faturamento, também chamou atenção a mudança nos hábitos de consumidores em relação à compra online.

Nos meses de pico da restrição social, como abril e junho, mais de 5,7 milhões de clientes fizeram a sua primeira aquisição pela internet, segundo dados da Neotrust.

A pandemia forçou o surgimento de um novo público consumidor e também diversificou o carrinho de compras online, incluindo produtos que antes só eram adquiridos no supermercado.

No pré-Covid, o brasileiro usava a internet para adquirir bens duráveis, como smartphones, televisores e eletrodomésticos; durante a pandemia, compras de rotina, como bens perecíveis, itens de limpeza e de farmácia, viraram hábitos de consumo.

O resultado disso é que pequenas empresas foram para o online, investindo em canais próprios ou utilizando a estrutura de gigantes, como o marketplace da Magazine Luiza, e as grandes anteciparam em anos a digitalização do varejo.

“Na primeira quinzena de março, vimos aceleração gigantesca de digitalização de empresas que estavam apenas no offline. Elas viam o online como alternativa, mas ainda não atuavam. Aumentou o número de consumidores, mas aumentou muito o de lojas e o marketplace, com pequenas empresas na vitrine de grandes marcas”, afirma Felipe Brandão secretário-executivo da Câmara Brasileira de Economia Digital, que reúne dados do ecommerce.

Segundo a entidade, o faturamento do comércio eletrônico cresceu quase 50% no acumulado do ano em outubro (último dado fechado pelo levantamento), na comparação com o mesmo período de 2019.

De julho a setembro, a penetração de consumidores no comércio digital, considerando a população de internautas no país, foi de 18%.

No mesmo período do ano passado, havia sido de 11,3% e, em 2018, de 8,5%.

Apesar da crise econômica, o setor de tecnologia seguiu contratando neste ano, impulsionado pela expansão dos meios online de comunicação e compras. A facilidade de adaptação do setor ao home office – prática já adotada em alguma medida antes da pandemia – também favoreceu-o na pandemia.

A própria possibilidade de adoção da modalidade de trabalho remoto passou a refletir as desigualdades do país neste ano. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 7,9 milhões de brasileiros estavam em home office no final de setembro. No início da série, em maio, eram 8,6 milhões.

Segundo especialistas, o trabalho remoto é um benefício adicional para os mais qualificados, principalmente aos que têm mais escolaridade.

Os dados do IBGE reforçam essa visão. Cerca de 73% dos que trabalhavam remotamente em julho concluíram o ensino superior completo ou uma pós-graduação. Menos de 1% não completaram o fundamental.