Formula Chopp

Viciante: Saiba qual é o ingrediente secreto que faz o chocolate ser tão delicioso!

  • Nina Ribeiro
  • Publicado em 22 de abril de 2021 às 11:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O chocolate é uma delícia viciante. Mas você sabe qual é o ingrediente secreto que faz o chocolate ser tão delicioso? Você vai se surpreender!

Você vai se surpreender ao descobrir o ingrediente secreto que faz o chocolate ser tão gostoso!

 

O chocolate é uma delícia viciante. Mas você sabe qual é o ingrediente secreto que faz o chocolate ser tão delicioso?

Seja assado em formato de biscoito, derretido em uma bebida doce quente ou moldado em forma de coelho, o chocolate é um dos alimentos mais consumidos no mundo.

Em laboratórios no Peru, Bélgica e até mesmo na Costa do Marfim, autoproclamados cientistas do chocolate trabalham para entender como a fermentação muda o sabor do chocolate.

Depois de décadas de testes, os pesquisadores resolveram muitos dos mistérios que governam a fermentação do cacau, incluindo os microrganismos envolvidos e como essa etapa influi no sabor e na qualidade do chocolate.

Os grãos secos são torrados e depois amassados ​​com açúcar e, às vezes, leite em pó, até que a mistura fique tão homogênea a ponto de ser impossível distinguir suas partículas na língua.

Neste ponto, o chocolate está pronto para ser transformado em barras, biscoitos ou bombons.

É durante a fase de cura que a fermentação ocorre naturalmente.

O sabor complexo do chocolate consiste em centenas de compostos individuais, muitos dos quais são gerados durante a fermentação.

A fermentação é o processo de realçar as qualidades de um alimento por meio da atividade controlada de micróbios e permite que os grãos de cacau amargos ou insípidos desenvolvam os sabores ricos associados ao chocolate.

Microorganismos em ação

A fermentação do cacau é um processo de várias etapas.

Quaisquer microorganismos compostos produzidos ao longo do caminho que alterem o sabor dos grãos também mudam o sabor final do chocolate.

Este processo gera moléculas de sabor frutado conhecidas como ésteres e óleos fúsel com sabores florais.

Esses compostos penetram nos grãos e são encontrados no chocolate final.

À medida que a polpa se decompõe, o oxigênio ingressa na massa de fermento e a quantidade de fermento diminui à medida que as bactérias, que gostam de oxigênio, assumem o controle.

Elas são conhecidas como bactérias do ácido acético, porque convertem o álcool gerado pela levedura em ácido acético. Este ácido penetra nos grãos e causa alterações bioquímicas.

Outras enzimas quebram as moléculas de antioxidante polifenólico, graças às quais o chocolate ganhou popularidade como um superalimento.

Como resultado, ao contrário da crença popular, a maioria dos chocolates contém muito pouco ou nenhum antioxidante polifenólico.

A transformação do sabor

Todas as reações causadas por bactérias do ácido acético têm um grande impacto no paladar.

Esses ácidos promovem a quebra das moléculas de polifenol — que têm uma cor violeta profunda e são fortemente adstringentes — em produtos químicos marrons de sabor mais suave, conhecidos como o-quinonas.

É aqui que os grãos do cacau deixam de ter um sabor amargo e passam a ter um sabor rico e de nozes.

Essa transformação do sabor é acompanhada por uma mudança de cor de roxo avermelhado para marrom, e é a razão pela qual o chocolate geralmente é marrom e não roxo.

Finalmente, à medida que o ácido evapora lentamente e os açúcares se esgotam, outras espécies, como fungos filamentosos e a bactéria formadora de esporos Bacillus, assumem o controle.

Se você experimentou apenas o chocolate em barra, normalmente visto em supermercados, provavelmente não tem ideia da variedade e complexidade que um chocolate verdadeiramente bom pode ter.

Este é o poder da fermentação: mudar, converter, transformar.

Ele pega o normal e o torna incomum, graças à magia dos micróbios. E é a ação das bactérias que torna o chocolate um alimento tão delicioso a ponto de se tornar viciante.

Este artigo foi publicado originalmente (em inglês) em The Conversation.


+ Gastronomia