Queda de energia por pipas na rede elétrica cresce 50% na pandemia

  • Salvador Netto
  • Publicado em 18 de dezembro de 2020 às 17:37
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:01
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

De janeiro a novembro deste ano, a Enel registrou 3.375 ocorrências relacionadas a pipas

As ocorrências de queda de energia e oscilação do serviço causadas por pipas na rede elétrica aumentaram 50,8% no estado de São Paulo durante a pandemia de coronavírus, segundo levantamento da Enel Distribuição São Paulo.

O maior número de ocorrências aconteceu entre os meses de maio a julho, período que coincidiu com a recomendação das autoridades para o isolamento social e as férias escolares.

De janeiro a novembro deste ano, a Enel registrou 3.375 ocorrências relacionadas a pipas, enquanto que no mesmo período de 2019 foram verificados 2.238 casos. As informações são da repórter Martha Alves, da Folhapress.

A capital concentrou 62% do total de ocorrências, com 2.361 mil casos. Seguida das das cidades de Osasco (133 casos), Carapicuíba (111), Mauá (101) e Santo André (90).

“Nos meses de maio e junho houve paralisação das aulas [com a pandemia de coronavírus] e [estudantes] sem aula remota. O lazer das crianças foi soltar pipas. As férias são o período de maior incidência e nós sempre fazemos palestras em escolas e locais que têm incidência maior de ocorrências com pipas”, explicou Vinicyus Lima, porta-voz e gerente de Operação da Enel Distribuição São Paulo.

As linhas de pipas com cerol e outros produtos cortantes podem romper cabos de energia, provocar desgastes nos fios, oscilação do serviço, curtos-circuitos, interrupção do fornecimento de energia para os moradores, além de acidentes.

O porta-voz da Enel destacou que é importante reforçar os riscos de se empinar pipa próximo da rede e a necessidade dos pais orientarem as crianças e os adolescentes sobre os cuidados necessários, como não tentar resgatar qualquer pipa da rede elétrica. “Quando você fala para a criança ela entende. Se não falar nada, ela não vai ver risco”, enfatizou

Se por acaso houver um curto-circuito ou um cabo rompido da rede elétrica, Lima alerta para as pessoas não mexerem e acionarem imediatamente a Enel para fazer o reparo. 

“Nós temos proteções na rede na hora que acontece o curto-circuito. O rompimento [do cabo] é muito perigoso, ele desliga, mas pode ter o problema do cabo cair na cabeça de alguém”, afirmou.

A companhia diz fazer ações de manutenção na rede durante todo o ano devido a períodos críticos, como as férias escolares com as pipas enroscando nas fiações elétricas e o verão com as chuvas e ventos fortes que causam quedas de árvores. 

A Enel inclusive já deu início ao Verão 2020/21 para agilizar o restabelecimento do fornecimento de energia aos clientes nesta época do ano devido ao grande número de ocorrências.


+ Cotidiano