Formula Chopp

Mulher vai em cana por ofensas, bagunçar e jogar fezes na piscina de seus vizinhos

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 8 de abril de 2021 às 14:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Casal procurou delegacia para denunciar xingamentos e contou que vizinha arremessava absorventes, areia e até fezes em piscina da casa

Mulher perseguia casal de vizinhos há 14 anos

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu uma mulher de 55 anos suspeita de perseguir um casal de vizinhos há 14 anos.

Segundo a investigação, uma moradora cometia “ofensas e perturbações constantes”, além de xingar as vítimas e arremessar na piscina objetos como absorventes, papel higiênico, areia e até fezes.

A prisão ocorreu na segunda-feira (5), durante a operação “Mau vizinho 2”.

Segundo o delegado à frente do caso, João Ataliba, da 38ª Delegacia de Polícia, os atos da mulher configuram a prática de “stalking” – termo em inglês que se refere à perseguição obsessiva contra outra pessoa.

A investigação apontou que o casal de vítimas, de 47 e 39 anos, passou a ser perseguido pela autora após construírem uma casa ao lado do muro da residência. A partir de então, a vizinha passou a ofender a família.

“As ofensas e as perturbações passaram a ser constantes, ocasião em que a autora chamava o homem do casal de ‘viado’, gigolô, vagabundo, entre outros impropérios”, disse o delegado.

Em outras ocasiões, a mulher passou a subir em uma escada que divide o muro das duas casas e a ofender o casal. Ela chegou a dizer que o vizinho era “um preto de alma preta”.

“Em outra ocasião, as vítimas acordaram novamente com os xingamentos da autora e, ao saírem no quintal, verificaram que ela havia jogado diversas coisas dentro da piscina”, disse o delegado.

A mulher foi presa em flagrante após acusar a família vizinha de roubar água.

Ela deve responder pelos crimes de injúria preconceituosa e perseguição (stalking). Somadas, as penas chegam a cinco anos de prisão.

A suspeita foi levada para a carceragem da Polícia Civil, onde ficará à disposição da Justiça.

*Informações G1


+ Justiça