Menina de dez anos morre asfixiada na Itália ao participar de desafio no TikTok

  • Salvador Netto
  • Publicado em 22 de janeiro de 2021 às 23:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Plataforma fundada em 2016, que diz contar com 100 milhões de usuários na Europa, emitiu uma nota dizendo que vai colaborar com investigação

Uma menina italiana de 10 anos morreu asfixiada na quarta-feira (20) em Palermo, na Sicília, enquanto participava de um desafio na rede social TikTok, segundo informou a imprensa italiana nesta sexta-feira (22).

Antonella, que participou do chamado “desafio do apagão”, no banheiro de sua casa, colocou um cinto no pescoço com o objetivo de ficar sem respirar o maior tempo possível, enquanto gravava a cena com seu celular.

Depois, a irmã, de 5 anos, encontrou o corpo dela inconsciente. Antonella foi levada pelos pais ao Hospital Infantil de Palermo, mas não sobreviveu.

“Blackout challenge” é um desafio que consiste em que as crianças interrompam a respiração até desmaiar e, com isso, experimentar fortes sensações. Todo ano provoca acidentes, alguns fatais.

Os pais contaram ao jornal “La Repubblica” que outra irmã de Antonella, de 9 anos, foi quem lhes explicou o ocorrido: “Antonella estava jogando o jogo da asfixia”.

“Não sabíamos de nada”, confessou o pai da menina ao jornal. “Só sabia que Antonella entrava no TikTok para ver vídeos. Como imaginar essa atrocidade?”

“A minha filha, minha pequena Antonella, morreu em um jogo extremo do TikTok, não consigo aceitar isso!”, acrescentou Angelo Sicomero, que junto à esposa decidiu doar os órgãos da filha para que “outras crianças possam viver graças a ela”.

A Promotoria de Palermo abriu uma investigação por “incitação ao suicídio”.

O celular da menina foi confiscado pelos investigadores, que deverão determinar se Antonella mantinha contato com outros participantes e se alguém a convidou a participar do desafio ou se estava gravando esse vídeo para um amigo ou parente.

Segundo reportagem do jornal Extra, diante da tragédia, a plataforma fundada em 2016, que diz contar com 100 milhões de usuários na Europa, emitiu uma nota.

“A segurança da comunidade TikTok é nossa prioridade máxima, estamos à disposição das autoridades competentes para colaborar em toda a investigação”, escreveu.