Jiboia é resgatada com sinais de queimaduras na pele em avenida de Batatais

  • Joaquim Felix
  • Publicado em 9 de dezembro de 2020 às 08:37
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 10:57
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Após ser encontrada por moradores, serpente foi encaminhado ao Bosque Municipal de Ribeirão Preto

Bombeiro civil faz o resgate da Jibóia que foi enviada ao bosque de Ribeirão Preto

​Uma jiboia foi resgatada com sinais de queimaduras na pele, em Batatais (SP), por bombeiros civis. 

A serpente foi encaminhada ao Bosque Municipal Fábio Barreto, em Ribeirão Preto (SP), para ser tratada.

Segundo o comandante Celso Júnior, que conduziu o resgate, a jiboia foi encontrada na segunda-feira (7), por volta das 8h, na Avenida dos Pupins. Moradores pediram ajuda aos bombeiros por telefone. 

O animal, que tem cerca de um metro e meio, apresentava ferimentos na cauda.

“Ela tinha ferimentos provavelmente causados por queimadura. Como ela estava próximo a uma mata, devido às queimadas, ela acabou se ferindo e estava procurando outro abrigo, quando o pessoal acabou encontrando ela”, diz Júnior.

O comandante afirma que a jiboia estava alimentada e se locomovia devagar, motivo pelo qual o resgate foi feito sem intercorrências. 

Em seguida, a serpente foi levada a um biólogo, que pediu ajuda ao bosque de Ribeirão Preto.

“Batatais está sofrendo com queimadas há tempos. O ferimento dela deve ser de algumas semanas, porque já estava seco. Mas tinha infecção por causa de moscas e outros insetos. Se ela não fosse capturada, ela acabaria até morrendo, devido à infecção”, diz.

Aparições frequentes

O comandante dos bombeiros civis afirma que a aparição de répteis no perímetro urbano de Batatais tem se tornado frequente. Ele diz que, em novembro, quatro espécies de serpentes foram capturadas – jiboia, cascavel, coral e caninana.

A Prefeitura de Ribeirão Preto informou que a jiboia está sendo tratada no bosque pelo veterinário César Branco, integrante do projeto “Uma Nova Chance”, que cuida de animais silvestres resgatados com ferimentos causados por queimadas, choques e agressões humanas.

(fonte: G1)