HISTÓRIAS DA MÚSICA UNIVERSAL

  • mmargoliner
  • Publicado em 27 de março de 2016 às 13:29
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

A MÚSICA GRAVADA

O nível atual de difusão da música resulta de um longo caminho desde as origens das técnicas de gravação de som e seu aperfeiçoamento até os dias de hoje.

Tudo começou com Thomas Young, no início do século XIX, ao inventar um aparelho chamado vibroscópio, que utilizava cilindros metálicos para armazenar vibrações sonoras. Em 1857 , Leon Scott  aperfeiçoava esse método inventando o fonoautógrafo mas esses sons “gravados” até então  não podiam ser reproduzidos, isto porque, com esses aparelhos, preocupava-se apenas em possibilitar meios de estudo da acústica, não se pretendendo reproduzir o som gravado para qualquer fim.

Thomas  Alva Edison, no ano de 1877, conseguiu gravar o som em um aparelho que batizou de fonógrafo, com a possibilidade de reprodução. Em seguida foi a vez de surgir o gramofone, que, em lugar de cilindros, utilizava discos e, em 1930, apareceu a fita magnética.

Gramofone

Como percebemos desde que Young, Scott e Edison gravaram sons em seus inventos, o caminho foi bastante longo até os últimos inventos tecnológicos que permitem a reprodução musical.

Primeiro, cilindros de estanho; depois, cilindros de papelão cobertos de cera (invenção de Alexander Graham Bell) usados no novo aparelho, o gramofone (1886); disco de goma-laca(1895); gravação em fio (1898)…

Até meados de 1910, desenvolveram-se experiências com o disco de cera de carnaúba  (78 rotações por minuto), comercializados por algum tempo. Em 1948 surgem os discos de vinil, utilizando as velocidades de 33 e 1/3 e 45 rotações por minuto para a reprodução do som gravado. Eram discos de 7 polegadas (compactos), 10 e 12 polegadas (LPs), este dois últimos, apenas em 33 e 1/3 RPM.

A fita de rolo foi inventada em 1928 e comercializada a partir de 1935.

A fita cassete (k-7) foi lançada em 1963, provocando uma enorme revolução na gravação e reprodução sonora, revitalizando o comércio musical.

Até 1982, quando apareceu o CD (compact disc), todos os sistemas de gravação e reprodução (leia-se discos e fitas) eram analógicos, isto é, as ondas sonoras eram traduzidas em impulsos elétricos.

A partir dessa data a gravação e a reprodução do som passaram ao sistema digital. Nesse sistema as ondas sonoras são transformadas em códigos numéricos na linguagem binária dos computadores, o que permite sua manipulação informática e uma reprodução mais fiel e pura do som original.

Atrás do CD vieram o Mini-Disc (MD) muito popular na Ásia e de pouco sucesso por aqui, seguidos pelos cartões de memória e pen-drives.

BENY CHAGAS MUSIC SHOW

Grandes originais e primorosas releituras. Tocamos Nikki Parrot, Louis Armstrong, Laércio de Franca… Coisas que, NORMALMENTE, você não ouve por aí.

Sábado às 9h e domingo às 10h da manhã na Mais Brasil FM-Franca–SP-101,3 Mhz.

Sábado e domingo às 11h da manhã em www.radionovaip.com.br-Ribeirão Preto-SP.

Sábado e domingo às 12 e 20h em www.ponto1000.com- Ribeirão Preto-SP.

Aguarde mais endereços.

BENY CHAGAS – MR. FLASH BACK

O mais abrangente programa de antigos e marcantes pop-hits  que você já terá ouvido !

Do final dos anos 80 até o início dos anos 50 !!!

Lembra-se dos Herman’s Hermits, da Eliana Pittman, da Carole King, do Chris Montez, do Donald Fagen ?  Então, se ligue : sábado às 10:00, domingo às 11:00, logo depois do “Beny Chagas Music Show” na Mais Brasil FM e várias Web Rádios que estaremos divulgando.

Não abrimos mão de você!

*Esta coluna é semanal e atualizada aos domingos.