Estudo mostra ligação entre álcool e suicídio na faixa de 25 a 44 anos

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 25 de agosto de 2018 às 21:17
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 18:58
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Suicídio é a 2ª causa mundial de mortes entre pessoas dessa faixa etária – mais de 90% por distúrbios mentais

Um estudo feito pela Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo (USP) divulgado este ano em um jornal
científico reforçou a ligação entre o consumo de álcool e o suicídio.

Foram analisados 1,7 mil casos na
cidade de São Paulo entre 2011 e 2015 a partir de exames toxicológicos e
mais de 30% das vítimas apresentavam diferentes concentrações de teor alcoólico
no sangue. Entre os homens essa porcentagem chegou a 34,7%. A maior parte dos
analisados (49%) corresponde a adultos jovens, com idade entre 25 e 44 anos.
Dentro dessa faixa etária mais de 61% apresentavam álcool no sangue.

Desde 2012 a taxa de suicídio em
brasileiros de 15 a 29 anos subiu quase 10% de acordo com a edição de 2010 do
Mapa da Violência, feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e
o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Segundo a Organização Mundial da Saúde
(OMS), o suicídio é a segunda causa mundial de mortes entre pessoas
dessa faixa etária – mais de 90% estão ligados a distúrbios mentais.

Segundo o psiquiatra Teng Chei Tung,
coordenador dos Serviços de Pronto-Socorro e Interconsultas do Instituto de
Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP, sob efeito do álcool as pessoas
podem apresentar diminuição da capacidade de julgamento, do senso crítico e do
autocontrole, assim como tendem a adotar comportamentos agressivos. Esse efeito
pode ser ainda maior entre os adolescentes. “O cérebro do adolescente ainda
está em desenvolvimento e os efeitos do álcool são mais nocivos nessa idade,
com impacto ainda maior sobre a tomada de decisões e o autocontrole. Estamos
falando de uma faixa etária em que o imediatismo é mais evidente e a exposição
ao álcool pode ser mais perigosa quando pensamos no risco para o suicídio”,
explicou.

De acordo com Tung, é possível
desenvolver programas educativos sobre o consumo de drogas e álcool entre os
jovens, mas é preciso lembrar que há outros fatores que também merecem atenção
como o bullying e transtornos psiquiátricos, como a depressão. “É importante
lembrar que um transtorno mental como a depressão pode alterar a percepção que
o indivíduo tem da realidade. Por isso, os casos de suicídio não devem ser
encarados como expressão do livre-arbítrio.”

Campanha
digital

No próximo mês será lançada a
campanha digital #SAIADASOMBRA, para contribuir para as atividades educativas
da campanha global Setembro Amarelo, que tem como foco o Dia Mundial de
Prevenção ao Suicídio, celebrado no próximo dia 10. A mensagem será lançada em
forma de vídeo nas redes sociais com o objetivo de atingir os mais jovens.

A campanha é feita em parceria com o
Centro de Valorização à Vida (CVV) e o laboratório Pfizer. “O objetivo
desta vez é focar nos adolescentes e jovens que apresentam sinais de alerta em
relação à depressão e à possibilidade de cometer suicídio num prazo próximo ou
mediano. Nossa intenção é alertar, trazer informação e levar as pessoas a poder
identificar esses sinais e, em seguida, ajudar, seja pessoalmente ou
encaminhando para um profissional adequado”, disse o diretor médico da
Pfizer, Eurico Correia.

Segundo ele, as pessoas que têm
sinais ou sintomas depressivos têm um sofrimento inerente à doença e à condição
clínica pela qual estão passando. “É importante lembrar que as pessoas que
têm depressão, de alguma maneira, estão sofrendo e, para algumas delas, a saída
para esse sofrimento é o suicídio. Vamos ter isso em mente e
reconhecer que há mitos que envolvem a doença”.

Correia ressaltou que é necessário
ainda eliminar a ideia de que suicídio é uma consequência natural de uma série
de situações na vida da pessoa. “Mais de 90% das pessoas que se suicidaram
ou tentaram tem alguma doença envolvida. Não é questão meramente
comportamental. Essa é uma das mensagens mais importantes: é uma morte
evitável. Essa pessoa que tentou ou cometeu suicídio não precisava ter feito
isso se a gente ouvisse, visse e desse atenção”, completou.

O presidente do CVV, Robert Paris,
destacou que a entidade criou um serviço via chat com o intuito de atrair
jovens. Segundo ele, a adesão desse público foi rápida. “Um dado que nos
chamou muito a atenção é que no atendimento em geral cerca de 5% a 10% das
pessoas manifestam intenção ou planejamento para o suicídio. Parece pouco, mas
se pensarmos que temos 3 milhões de contatos por ano, isso significa um número
de pessoas em alto risco e que, felizmente, estão pedindo ajuda de alguma
maneira”.

Paris disse ainda que entre aqueles
de 15 a 29 anos, a taxa dos que mostram planejamento ou intenção para suicídio
é de 50%. “O jovem fala abertamente sobre isso. Ele pede ajuda e demonstra
seu desespero. O problema é grave, estamos cada vez mais buscando voluntários
para atender em todos os nossos meios de apoio, mas especificamente nesse. E
buscamos trazer voluntários mais jovens.”

Mudanças bruscas de personalidade,
alterações no desempenho escolar ou no trabalho podem ser sinais de que a
pessoa sofre de algum transtorno que pode levar ao suicídio. Perda de interesse
por atividades que antes eram prazerosas, isolamento familiar ou social,
pessimismo, perda ou ganho inesperado de peso, frequência de comentários
autodepreciativos ou sobre morte, ou a doação de pertences que antes o
indivíduo valorizava também são sinais que devem ser notados.