Empresas adotam home office sem regras nem apoio a funcionário

  • Salvador Netto
  • Publicado em 19 de dezembro de 2020 às 17:34
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:08
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Entre as empresas que estabeleceram regras, só 27% oferecem auxílio para custear despesas

Empresas que colocaram os funcionários para trabalhar em casa na pandemia do coronavírus pretendem mantê-los longe do escritório no próximo ano pelo menos alguns dias por semana, mas hesitam em formalizar regras para o trabalho remoto de suas equipes.

Segundo um levantamento da corretora de seguros americana Lockton com 469 companhias brasileiras e multinacionais, 55% adotaram o home office com definição de políticas claras e 41% o fizeram de maneira informal.

Entre as empresas que estabeleceram regras para o trabalho remoto, só 27% oferecem auxílio para custear despesas que os colaboradores passaram a ter com energia, telefone e internet. 

Em média, elas pagam aos empregados R$ 100 por mês. Só 22% ajudaram também com móveis de escritório.

O levantamento sugere que as empresas evitaram aumento de custos com a alimentação dos funcionários na pandemia. 

Em média, elas gastaram neste ano R$ 30,85 por dia com o vale-refeição de cada funcionário. No ano passado, a média foi R$ 30,61. Não houve reajuste na pandemia, segundo a Lockton.