Dia internacional do Voluntário

  • Construindo Cidadania
  • Publicado em 10 de dezembro de 2020 às 20:37
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:08
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Roberto Ravagnani é palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor especialista em voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, da IPA Brasil e da AFINCO, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea, criador e gestor de eventos filantrópicos, porta voz pela ONU, Membro Hub One, Líder Internacional de Yoga do Riso, Conselheiro de Relações Sociais e Familiares do Instituto i. s. de desenvolvimento e sustentabilidade Humana, Diretor da rádio Tom Social e Associado da VRS Consult da Guatemala. www.robertoravagnani.com.br

Quero continuar esta semana ainda falando do dia internacional que há pouco comemoramos e sim há o que comemorar, mas também há muito por fazer em todo mundo e para todo mundo.

O trabalho voluntário, que eu gostaria e faço um grande esforço para estar em pauta nos mais variados meios do Brasil e da América Latina, ainda tem muito a crescer em divulgação, não exclusivamente de um ou outro trabalho realizado, mas da potencia de transformação, das possibilidades de envolvimento com a comunidade e o conhecimento de suas carências e potencialidades, do aprendizado que ele traz as pessoas que o praticam com compromisso e atenção de qualidade e todas as mudanças que é capaz de realizar na sociedade com pequenas ações, que servem de inspiração para muitos e de resgate para outros.

Isso ainda é uma grande carência do voluntariado, a mídia de uma forma ampla falando do assunto para aqueles não convertidos, pois ainda insistimos em falar do assunto para os que já conhecem ou já são voluntários, lógico que estes tem que ser abastecidos também mas não é o nosso foco de atenção, precisamos conversar com aqueles que ainda não conhecem do assunto e ainda precisam ser municiados de informações confiáveis para fazer sua critica ou escolha de fazer ou não um trabalho voluntário.

Ter mais voluntários é só um detalhe, o mais importante é a informação circulando e mais pessoas falando do assunto com o mínimo de conhecimento, esse é o objetivo.