Demissões em bares e restaurantes atingiram em média 37% das equipes

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 15 de dezembro de 2020 às 16:07
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:41
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

39% das empresas do setor estão com os impostos em atraso, à espera da possibilidade de parcelamento

Pesquisa da Associação Nacional de Restaurantes (ANR) em parceria com a consultoria Galunion, especializada no mercado food service, apontou que o setor ainda enfrenta sérios problemas na retomada.

64% das empresas afirmaram que demitiram na crise. Os cortes alcançaram 37% do total das equipes. 

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), o setor tem um saldo negativo de 236.350 postos de trabalho com carteira assinada em 2020 até setembro. 

Mais de 500 empresas de todo o país participaram da pesquisa, realizada entre 7 e 27 de novembro.

Outro dado preocupante e que irá merecer a atenção dos governos diz respeito aos tributos: 39% afirmaram que estão com pagamentos atrasados. 

Desse total, 34% irão aguardar opções de parcelamento e outros 31% dizem que conseguirão pagar apenas se houver descontos, mesmo com o financiamento da dívida.

A pesquisa ANR | Galunion quis saber quais as principais dificuldades para a retomada. 

Para 29%, o motivo é o ponto do estabelecimento, instalado em shoppings, aeroportos ou próximos a escritórios, locais que ainda não retomaram o movimento. 

Outros 27% apontaram a falta de confiança do consumidor como causa. Para 24%, o problema maior é a queda da renda dos clientes na pandemia e outros 20% atribuíram os resultados às limitações de horários impostas pelas legislações estaduais ou municipais.

37% das empresas que possuem mais de uma unidade já promoveram o fechamento de lojas. 

Em relação ao faturamento do mês de outubro, comparado com o mesmo período de 2019, 27% afirmaram que tiveram queda acima de 50%, enquanto para outros 29% a receita diminuiu entre 26% e 50%.