Formula Chopp

Auge da pandemia de coronavírus impõe desafio extra para os prefeitos novatos

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 11 de abril de 2021 às 20:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

“Minha primeira obra está sendo a ampliação do cemitério”, diz um prefeito do interior da Paraíba, empenhado no combate da pandemia

“Não era o que eu queria, mas [a ampliação do] cemitério da cidade está sendo a minha primeira obra. Ele está pequeno. Muitas pessoas estão falecendo num curto espaço de tempo.”

O lamento é de Cicero José Fernandes do Carmo, prefeito de Alcantil, município de pouco mais de 5 mil habitantes no interior da Paraíba.

Aos 29 anos, o bacharel em direito, empresário e pecuarista ocupa um cargo eletivo pela primeira vez.

Para os prefeitos de primeiro mandato eleitos no ano passado, o aprendizado da gestão pública e a aquisição dos traquejos necessários para lidar com a máquina burocrática têm ocorrido em meio aos inéditos desafios desencadeados pela crise da covid-19.

Nas últimas duas semanas, a reportagem da DW Brasil conversou com alguns novos prefeitos de cidades pequenas do país, sobre os dramas vividos nestes cem primeiros dias de mandato.

No último boletim divulgado pela prefeitura de Alcantil, datado de 7 de abril, a cidade somava 260 casos confirmados, com 28 ativos.

As oito mortes decorrentes do coronavírus ocorreram neste ano. “Abalou muito a cidade”, diz o prefeito.

“De uma semana para cá, estão aumentando muito os casos. Eram sempre cinco ou seis ativos. Agora estamos no momento mais grave desse vírus.”

Para piorar, a cidade não conta com hospital, apenas um posto de saúde. Carmo diz estar fazendo “das tripas coração com o dinheiro que tinha em caixa” para construir uma “ala covid” na unidade de atendimento de saúde.

“Para que os pacientes recebam os primeiros-socorros [separadamente]”, explica. “Hoje quem está doente vai ao posto e contamina outros pacientes.”

“O desafio é grande. Em cidade pequena, o prefeito é tudo: tem de ser psicólogo, um pouco médico, um pouco professor. Morador à noite quando adoece liga para mim”, conta ele. “Está sendo um desafio grande. Eu não imaginava que seria assim.”

Também em seu primeiro mandato, Alcione Grazziotin, de 55 anos, diz que o momento atual é “apavorante” e relata estar passando “noites e noites sem dormir, pensando em soluções”.

Empresário e advogado, ele é prefeito de Nova Prata, no Rio Grande do Sul. O município de cerca de 28 mil habitantes registra, conforme boletim divulgado em 8 de abril, um acumulado de 2.984 casos da doença – com 21 ativos – e 33 mortes.

Mortes e falta de UTI

Na madrugada do último dia 6, a primeira-dama da cidade de São Jorge, da mesma região gaúcha, morreu em decorrência de covid-19 no hospital de Nova Prata, onde ela estava internada.

Em 14 de março, o prefeito de São Jorge já havia morrido pela doença. Grazziotin diz que essas mortes deixam evidente que todos estão vulneráveis à covid-19.

“A solução é evitar aglomerações, conscientizar os mais impetuosos, que às vezes imaginam que seu corpo seja tão resistente. Todos são suscetíveis ao vírus e todos devem buscar, até por humanidade, evitar contato”, comenta o prefeito de Nova Prata.

“Para que essa doença, tão malévola, não siga destruindo famílias, vidas maravilhosas de pessoas que eternamente farão falta.”

Nova Prata conta com um hospital, que não tinha leitos de UTI. Como a instituição atende a pacientes de outros sete municípios da região, as oito administrações dividiram as despesas para a instalação de uma estrutura semelhante a uma UTI em seis leitos do hospital.

Agora, “o paciente pode ser intubado e ter cuidados mais aprimorados enquanto aguarda leito em uma UTI efetiva, em cidades maiores como Caxias do Sul, Bento Gonçalves ou mesmo Porto Alegre”, relata Grazziotin.

Também no Rio Grande do Sul, o município de Relvado, com seus pouco mais de 2 mil habitantes, é outro que tem um prefeito ocupando pela primeira vez um cargo eletivo: o servidor público Carlos Luiz Fraporti, de 56 anos.

“Há um sentimento coletivo de angústia, medo e insegurança econômica e financeira”, comenta ele. “E isso se reflete diariamente no gabinete do prefeito, que, muitas vezes, é o último refúgio do cidadão em estado de vulnerabilidade social.”

Segundo o último boletim do município, há um total acumulado de 170 casos de infecção, sendo 14 ativos, e três óbitos. Relvado também não conta com leito de UTI – o município tem um convênio com um hospital de Encantado, para onde são encaminhados os pacientes em estado grave.

Tuntum, município de 42 mil habitantes no Maranhão, é comandado desde janeiro pelo empresário Fernando Portela Teles Pessoa, de 29 anos.

É a primeira vez que ele comanda o Executivo – mas por dois anos tinha sido deputado estadual. Ele conta que os esforços nesses primeiros cem dias foram concentrados para os cuidados decorrentes da pandemia.

“Montamos uma central de covid para atender isoladamente e com segurança os contaminados pelo vírus e as pessoas com sintomas que procuram atendimento”, diz ele.

Ainda em dezembro, antes do início oficial do mandato, sua equipe “assumiu de forma voluntária” trabalhos ligados ao hospital da cidade, garantindo uma transição gradual em meio à situação de emergência.

A cidade maranhense acumula 1.978 casos confirmados de coronavírus, sendo 24 ativos, e 20 mortes, conforme o último boletim divulgado.

Economia enfraquecida

Os prefeitos novatos admitem que a derrocada econômica já preocupa. A situação em Nova Prata se agravou porque logo nos primeiros dias do ano foi comunicado o fechamento de uma fábrica do setor alimentício, comandada por um grupo multinacional, deixando cerca de 230 desempregados.

“Estamos nos adaptando, reduzindo em muito as despesas, readequando situações, diminuindo os servidores comissionados, cortando certos gastos. É um momento específico, com orçamento diminuto”, ressalta o prefeito Grazziotin, de Nova Prata.

“A existência da pandemia impacta de sobremaneira os cofres públicos. Além de não existir a normalidade do dia a dia da comunidade, o setor produtivo foi reduzido em muito.”

Fraporti, de Relvado, diz que ainda é cedo para saber, na ponta do lápis, o tamanho da diminuição da arrecadação do município neste ano, “mas seguramente vai repercutir, em razão do fechamento do comércio não essencial”.


+ Política