Aprendendo com erro, Carrefour muda por completo a filosofia de segurança das lojas

  • Robson Leite
  • Publicado em 19 de outubro de 2021 às 19:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O agente de segurança está descaracterizado, com a substituição do uniforme e desconstrução da imagem da ostensividade e desconfiança

Agentes do Carrefour mudam de uniforme para acabar com estigma de seguranças e também trabalham com câmera acoplada

A morte de João Alberto Freitas, espancado e morto por seguranças do Carrefour, em novembro de 2020, foi um divisor de águas na forma da companhia administrar o setor de vigilância.

Até então, como a maioria dos varejistas, o Carrefour terceirizava essa área. Depois desse crime, o Carrefour decidiu internalizar os funcionários dessa área e adotar uma gestão humanizada.

Para comandar essa mudança, o Carrefour chamou Claudionor Alves, que assumiu a diretoria de segurança, riscos e prevenção em fevereiro deste ano. A reportagem é do portal 6 Minutos.

Para que nenhuma pessoa seja perseguida, discriminada ou intimidada dentro das lojas Carrefour, os agentes de segurança passaram por treinamentos sobre respeito e letramento racial.

Adeus uniforme preto

Outra mudança é visível para os clientes. O uniforme preto, padrão entre os seguranças, foi trocado por um modelo mais amigável.

“Hoje, nossa segurança é responsabilidade de todos, não só da equipe de segurança”, afirma Claudionor Alves.

Segundo ele, “o agente de segurança está totalmente descaracterizado. Substituímos o uniforme, desconstruímos a imagem da ostensividade, da desconfiança”.

Para o diretor de segurança do Carrefour, hoje, o papel da segurança é de acolher, receber bem o cliente, garantindo que a compra seja uma experiência boa. “Eles usam um colete cinza com as frases: ‘posso ajudar?’ e ‘eu pratico respeito'”.

“Nós tivemos já 1.013 contratações. Desses, 68,81% são negros, ou seja, pessoas que se autodeclaram negras ou pardas; temos também 35,93% mulheres”, diz Claudionor Alves.


+ Segurança