Anorexia entre jovens: entenda quais são os perigos dessa doença. Como tratá-la?

  • Salvador Netto
  • Publicado em 13 de fevereiro de 2021 às 23:00
  • Modificado em 14 de fevereiro de 2021 às 16:16
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Para quem sofre com a anorexia, todos os pensamentos e planos giram em torno da perda de peso

A adolescência é uma fase delicada, de muitas mudanças, pois é quando o momento em que o corpo e a mente deixam de ser infantis ao entrar em uma transição gradual para a fase adulta.

A puberdade muda drasticamente a aparência física e, com isso, alguns jovens desenvolvem visões distorcidas e problemáticas sobre si mesmos, principalmente quando influenciados negativamente pelos padrões de beleza midiáticos.

Muitas vezes esse tipo de transtorno está associado à baixa autoestima, à inclusão em um contexto de julgamento e à idealização corporal.

Ter vivenciado experiências traumáticas também pode representar um fator precipitante para o desencadeamento do problema.

Anorexia: o que é?

A anorexia é caracterizada por uma restrição alimentar patológica que leva a um emagrecimento expressivo e potencialmente perigoso para a saúde.

O início desse transtorno geralmente envolve a adoção de uma dieta rigorosa e um profundo temor de ganhar peso.

O passo seguinte costuma ser a realização de um controle obsessivo das calorias ingeridas no dia, que pode incluir também a recusa de alimentos, com o risco de afetar as funções vitais do corpo.

Pacientes anoréxicas tendem a pesar menos do que o adequado para sua altura e idade e, apesar de se olharem no espelho constantemente em busca de encontrar a imagem de um corpo ideal, jamais recebem o retorno esperado.

Isso porque a visão distorcida do próprio corpo é uma característica marcante da doença em questão.

“O retrato que essa pessoa tem de si mesma é totalmente irreal e diferente do que os demais percebem quando a veem, e essa autoimagem distorcida é que leva ao transtorno de anorexia”, explica a psiquiatra do Hospital Águas Claras Carolina Tajra.

Vale destacar que essa doença afeta principalmente meninas entre 12 e 20 anos, mas os meninos também podem ter anorexia.

O que pode acontecer com o corpo de uma pessoa anoréxica?

Várias consequências acometem o organismo se ele estiver em um estado de fome por muito tempo. Para economizar energia, ele começa a “desligar” diversas funções importantes.

“Os sintomas de transtornos alimentares em geral não são de fácil observação. Não é infrequente o paciente ou seus pais só procurarem ajuda quando já existem outras complicações clínicas associadas”, explica a médica.

Claro que os impactos vão depender da gravidade e do curso da doença, mas, de qualquer forma, é esperado que ao menos alguns dos desdobramentos mais comuns, abaixo listados, se manifestem nesse paciente.

Diminuição da frequência cardíaca.
Queda drástica da temperatura corporal.
Pressão arterial mais baixa do que o normal, podendo causar tontura e desmaio.
Piora da qualidade da circulação sanguínea.
Maiores chances de desenvolver problemas de osteoporose.
Interrupção das funções normais do cérebro, o que abre espaço para a chamada atrofia cerebral, isto é, a perda de tecido cerebral.
Enfraquecimento dos músculos.
Mau funcionamento do coração e dos rins.
Diminuição do metabolismo.
Sensação constante de cansaço.
Deficiência de várias substâncias de que o corpo necessita. Um exemplo recorrente é a falta do ferro, que pode originar um quadro de anemia e ainda interromper/tornar irregular a menstruação nos pacientes do sexo feminino.
Problemas gastrointestinais, como dor de estômago, prisão de ventre e gases.
Pele e o cabelo podem se tornar extremamente secos.
Maior tendência à acne.

Felizmente, na maioria das vezes, os efeitos da anorexia no corpo desaparecem conforme a pessoa com anorexia começa a se alimentar de forma correta e recupera um peso saudável.

Em alguns casos, porém, a pessoa continua apresentando determinadas complicações mentais e/ou somáticas significativas.

Tratamento para a anorexia

Se você está se perguntando se a anorexia tem cura, a resposta é ‘sim’!

“O mais importante para um diagnóstico e tratamento precoce”, explica Carolina, “é a atenção para recusas alimentares frequentes, perda de peso, preocupação exagerada com o corpo e idealização de padrões corporais anormais.

Apesar disso, por ser uma doença heterogênea, não existe uma forma única de tratamento que seja eficaz para todos os pacientes”.

O primeiro passo na buscar por auxílio profissional é pesquisar e se informar o máximo possível sobre a anorexia e como ela é tratada.

Depois desse momento e diante do interesse do paciente que sofre com essa doença em ser ajudado, é hora que consultar um psicanalista ou psiquiatra competente e experiente que conheça bem a natureza e o curso dessa doença.

O tratamento envolverá, claro, mudanças na maneira de se alimentar, mas também nas formas de lidar com outras emoções difíceis.

Em alguns casos é preciso aliar a terapia com recomendações e programas dietéticos específicos por parte de um nutricionista.

“Afinal, é de extrema importância promover também uma recuperação nutricional do paciente”, relata a especialista. Medicamentos antidepressivos também podem ser incluídos no processo se o especialista julgar seguro e necessário.

Além disso, todos os pacientes devem ser submetidos a um exame abrangente, em que as condições médicas, psicológicas e sociais são mapeadas de forma completa, para avaliar e incrementar sua saúde e qualidade de vida.

Determinados exames são essenciais para conhecer a situação metabólica do doente e para descartar outras condições médicas.

Com toda a certeza, o ponto mais importante desse processo é o desejo de continuidade e a perseverança do paciente, construídos diante de uma boa aliança terapêutica com o profissional responsável e de uma rede de apoio na família.

Os mais próximos da pessoa nessa condição precisam ter atenção aos sinais de sofrimento, oferecendo ajuda de forma acolhedora e não crítica.

“Pacientes com transtornos alimentares já se julgam demais para receber mais julgamentos”, finaliza a médica.


+ Saúde