Formula Chopp

Aliado da beleza, minoxidil pode ter efeitos colaterais. Saiba quais são eles aqui

  • Dayse Cruz
  • Publicado em 26 de fevereiro de 2021 às 11:30
  • Modificado em 26 de fevereiro de 2021 às 12:07
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O produto, bastante utilizado contra a queda de cabelo e para preencher sobrancelhas e barba, pode ter resultados indesejados

Usado para combater a queda de cabelo, minoxidil também tem efeitos colaterais

Usado para combater a queda de cabelo, minoxidil também tem efeitos colaterais

 

Quando o assunto é evitar a queda excessiva de cabelo, um produto de uso tópico reina soberano nas recomendações médicas: o minoxidil.

Há ainda quem aproveite seu potencial como um aliado da beleza em outras regiões, especialmente no rosto — para deixar as sobrancelhas cheias ou corrigir falhas na barba.

No entanto, assim como qualquer outro medicamento, ele deve ser usado com cautela.

O minoxidil é uma medicação com efeitos anti-hipertensivos, que estimula a microcirculação da região onde foi aplicado, oxigenando o bulbo capilar e, consequentemente, ativando o crescimento dos fios.

O tricologista Ademir Leite Junior explica que o uso do produto deve ser monitorado por um especialista, a fim de evitar efeitos colaterais.

Resultados indesejados

O principal efeito colateral do medicamento via oral é chamado de hipertricose.

O quadro é caracterizado pelo aumento dos pelos no rosto e corpo, até mesmo em áreas que não são sensíveis aos hormônios.

Mas, repare, esse efeito não é o mesmo que o hirsutismo, aquele que aumenta o pelo do rosto e de algumas partes do corpo pela atividade hormonal — em especial o desequilíbrio de hormônios masculinos.

No caso do minoxidil, o medicamento pode estimular o crescimento de pelos no corpo como um todo.

Como identificar

Segundo o médico, um estudo espanhol constatou que a hipertricose causada pelo produto se deu mais nas laterais do rosto e na região de testa próximo às têmporas com início após, em média, dois meses de uso da medicação.

O levantamento também ressaltou que o incômodo causado pelo minoxidil foi tratado por muitos dos participantes com métodos tradicionais de eliminação de pelos como lâminas, ceras e laser depilatório.

“Fora isso, a redução da dose nos casos dos participantes que se incomodaram com a hipertricose foi suficiente para a melhora do quadro”, explica o profissional.

Fique atento

– Pacientes de pele mais clara e cabelos mais escuros são os que mais se incomodam com o quadro pelo efeito estético negativo provocado pela maior diferença de tonalidades entre pele e os pelos.

– O rosto é a região mais acometida e a primeira a apresentar o quadro, porém outras áreas também se mostram frequentemente incômodas em pacientes que não são bem triados para o uso do minoxidil oral — em especial, mulheres com certa tendência a ter mais pelos em rosto, braços, pernas e em demais regiões corporais.

– Braços e regiões mais pilosas por natureza, como a virilha, normalmente sofrem aumento dos pelos.

– A interrupção abrupta da medicação é uma opção mais rápida para a reversão do problema, mas também pode causar o efeito de shedding (perda capilar volumosa e abrupta) dos fios de cabelos conquistados durante o tempo de tratamento.

Um estudo avalia que a redução da dose colabora com a melhora do quadro de hipertricose, assim como reduz o risco do shedding.

Ademir Leite Junior enfatiza que “o minoxidil oral é uma medicação segura e com baixo risco de efeitos colaterais, desde que o paciente tenha acompanhamento de um especialista”.

Gestantes devem evitar a prescrição, e os interessados com problemas cardiovasculares precisam consultar seus clínicos e cardiologistas sobre o uso.

*Informações Metrópoles