A cada 10 mil vacinados contra a Covid no Brasil, só 5 têm reações, a maioria leves

  • Salvador Netto
  • Publicado em 5 de fevereiro de 2021 às 23:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Especialistas afirmam que os números baixos de queixas reforçam o perfil de segurança das vacinas, notadamente a CoronaVac

Quando já contabilizava mais de dois milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19, o Ministério da Saúde havia recebido apenas 1.038 comunicações de eventos adversos por pessoas que já foram imunizadas.

Desses casos, apenas 20 foram considerados graves, mas sua relação com as vacinas ainda precisa ser confirmada. Os dados são da última terça-feira, data da mais recente atualização da pasta.

De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, o total de vacinados na quinta-feira (4) já ultrapassava 3 milhões de pessoas no Brasil. As informações são do repórter Dimitrius Dantas, do jornal Extra.

Especialistas afirmam que os números baixos de queixas reforçam o perfil de segurança das vacinas, notadamente a CoronaVac, utilizada em mais de 90% das imunizações até o momento. O outro imunizante adotado no país é o da AstraZeneca/Oxford.

Apenas 5 a cada 10 mil vacinados relataram algum efeito colateral após tomarem a vacina, ou 0,05%. De acordo com o Ministério da Saúde, os sintomas mais comuns foram cefaleia (dor de cabeça), febre, mialgia (dor muscular), diarreia, náusea e dor localizada.

Houve a comunicação de um evento adverso grave apenas a cada 100 mil aplicações da vacina. Esses casos, entretanto, não necessariamente estão associados à vacina: sabe-se apenas que eles ocorreram após a aplicação da primeira dose.

Renato Kfouri, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), pontua que “eventos graves” são aqueles que precisam de hospitalização, levam à morte ou a abortos em mulheres grávidas.

“Se a pessoa toma a vacina e é atropelada no dia seguinte, por exemplo, isso é reportado (como evento grave). Se é efeito da vacina a investigação dirá depois. Quando você vacina milhões de pessoas, é natural que uma ou outra sofrerá um acidente ou terá um infarto no dia seguinte, três dias depois, por exemplo”, explica.

Em novembro, uma morte levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender os testes clínicos da CoronaVac, a vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

O episódio foi tratado como um evento adverso grave. Posteriormente, foi comunicado à agência que se tratou do suicídio de um dos voluntários. Durante os testes clínicos da CoronaVac, não foi reportado nenhum evento grave associado à vacina.

Na última semana, o Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão do governo dos Estados Unidos que acompanha a vacinação no país, informou que, após a vacinação de 4 milhões de pessoas com a vacina produzida pela farmacêutica Moderna, foram registrados 1.266 eventos adversos, uma incidência ainda menor do que a do Brasil, de apenas 0,03%.

Desses casos, 108 foram identificados para uma análise mais aprofundada após detectada reação alérgica dos pacientes.

Não houve nenhuma publicação dos dados de eventos adversos relatados no Reino Unido, o primeiro a iniciar a vacinação em massa de sua população contra a Covid-19.


+ Saúde