Formula Chopp

Fotógrafo cego do Piauí luta para cobrir Paralimpíadas de Tóquio. Nada é impossível

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 29 de abril de 2021 às 16:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

A ida para Tóquio deve impulsionar o novo projeto de João Maia, que consiste na produção de um livro sobre sua história de vida

O piauiense João Maia, de 46 anos, não consegue enxergar, mas isto não impede que exerça a profissão de fotógrafo.

Sem o apoio da visão, João conta com seus outros sentidos para fazer os cliques: a audição, o tato, o olfato e o mais importante deles: o coração.

Nascido em Bom Jesus no Piauí e residente em São Paulo desde a adolescência, João ficou cego aos 29 anos por causa de uma uveíte bilateral — doença inflamatória na úvea, que é a camada do olho que abrange a íris, o corpo ciliar e a coroide.

Depois do processo de reabilitação que durou um ano e uma passagem de sete anos pelo esporte paralímpico no atletismo, João decidiu se dedicar totalmente a sua paixão: a fotografia.

Ele trocou a vida de atleta pela vida artística e se destacou em 2016, quando chamou a atenção por ser um fotógrafo cego fazendo a cobertura dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro.

Ele foi credenciado como fotojornalista de um projeto chamado Superação, da produtora cultural Mobgraphia, que consistia em retratar os atletas com fotos de celular.

Sua história foi contada por mais de 30 veículos de imprensa pelo mundo e impulsionou a criação do projeto Fotografia Cega.

Hoje, João se dedica não apenas a fotografar, mas também ensina técnicas da fotografia sem o uso da visão e assim “abre os olhos” da sociedade para as capacidades das pessoas com deficiência.

Depois do sucesso em 2016, o fotógrafo visa agora a cobertura das Paralimpíadas em Tóquio, que serão realizadas entre os meses de agosto e setembro, sem a presença dos torcedores por causa das restrições da pandemia.

Quando ele estiver no Japão fotografando, alguém vai se questionar como uma pessoa cega está fazendo este trabalho. A sociedade precisa rever seus valores, a questão da empatia.

“A pessoa com deficiência tem sua forma de ver o mundo, a minha é através da minha câmera. Eu conto histórias através das minhas imagens”, contou João Maia à BBC News Brasil.


+ Artes