Muita gente espera novas restrições nesta 2ª-feira, do Estado e da Prefeitura

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 28 de novembro de 2020 às 15:30
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 09:50
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Com alta de casos, governos estaduais e municipais preparam medidas de restrição de atividades econômicas

Especialistas em saúde e assessores na área afirmam, nos bastidores, que a segunda onda da covid-19 é uma realidade no país.

E dados endossam esta constatação. Levantamento da Fiocruz mostra que há uma tendência de alta no número de casos em pelo menos 12 capitais brasileiras. 

Deste total, sete apresentam taxas de ocupação de leitos de UTI exclusivos para a doença superiores a 80%, quando o ideal seria ficar abaixo de 70%.

As autoridades de saúde acreditam que nas próximas semanas estados e cidades vão adotar medidas de restrição de circulação e de atividades econômicas. 

Assim como na Europa, estas novas regras devem se concentrar principalmente em atividades de lazer, como bares e eventos que gerem aglomerações.

Assessores dizem que o processo de flexibilização teve muita falha, como no caso de transporte público, que não teve protocolos para evitar a aglomeração. 

“É um lugar com alto risco, por ser fechado, sem boa ventilação”, explica Daniel Villela, pesquisador do Observatório Covid-19 e coordenador do Programa de Computação Científica da Fiocruz.

A equipe do Centro de Contingência da Covid-19 do estado de São Paulo analisa os recentes dados de avanço da doença no estado, sobretudo o aumento de internações em hospitais da região metropolitana da capital, e prepara um plano para frear este crescimento.

A nova quarentena poderá ser anunciada já nesta segunda-feira, 30.

De acordo com o governo do estado, todas as opções estão na mesa e não está descartada a possibilidade de voltar a restringir a circulação e a abertura do comércio em algumas regiões do estado. 

Outro ponto que deve ser adotado é restringir atividades de lazer, sem a interrupção das aulas presenciais da rede de ensino, por exemplo.

Na área municipal, pode ter sido um sinal do prefeito ter trocado o Secretário de Saúde, saindo José Conrado Neto e entrando Luis Carlos Vergara, conforme publicado no Diário Oficial do Município.