Melatonina: finalmente, um suplemento que realmente aumenta a memória

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 15 de dezembro de 2020 às 17:16
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:42
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pesquisadores no Japão mostram que a melatonina e suas substâncias protegem contra a perda cognitiva

​​Caminhando pelo corredor de suplementos da farmácia, é possível encontrar cápsulas de ômega 3, vitamina E, ginseng e muitos outros que prometem ajudar na perda de memória e cognitiva. 

Porém, um suplemento que era visto apenas como auxiliador do sono, pode ajudar também no combate à perda de memória: a melatonina.

Em um novo estudo, pesquisadores da Tokyo Medical and Dental University (TMDU) no Japão mostram que a melatonina e suas substâncias promovem a formação de memórias de longo prazo em camundongos e protegem contra a perda cognitivo.

Uma das maneiras mais fáceis de testar a memória em ratos é analisar a tendência natural deles para examinar objetos desconhecidos. 

Se seguirem o padrão natural, eles passarão mais tempo verificando objetos desconhecidos do que familiares. 

Para ratos jovens, a exposição a um objeto três vezes ao dia é suficiente para que seja lembrado no dia seguinte. Já para os mais velhos, a tendência é que se comportem como se ambos os objetos fossem novos e desconhecidos, um sinal de declínio cognitivo.

Para testar a hipótese, os pesquisadores familiarizaram os ratos com os objetos e deram-lhes doses de melatonina e os dois metabólitos uma hora depois. 

Metabólitos são as moléculas em que a melatonina é decomposta depois de entrar no corpo e os pesquisadores acreditam que eles podem promover a cognição. 

Então, após testarem a memória dos ratos no dia seguinte, descobriram que houve uma melhora significativa depois do tratamento, principalmente na região hipocampal do cérebro — importante para transformar experiências em memórias.

”Nós mostramos que um dos metabólito da melatonina pode facilitar a formação da memória em ratos de todas as idades”, explicou o pesquisador Atsuhiko Hattori.

Os ratos mais velhos foram capazes de se lembrar dos objetos até 4 dias depois do teste. 

“O efeito em ratos mais velhos foi particularmente promissor e temos esperança de que estudos futuros mostrem efeitos semelhantes em humanos mais velhos. Se isso acontecer, a terapia com melatonina poderia eventualmente ser usada para reduzir a gravidade do comprometimento cognitivo leve e sua conversão potencial para a doença de Alzheimer“, afirmou Hattori, líder do estudo.

Fonte: Revista Exame