Insolação

  • mmargoliner
  • Publicado em 6 de dezembro de 2015 às 11:51
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

​Os amantes do sol talvez não corram tanto risco de insolação quanto os que nem gostam tanto de se expor. Isso porque as pessoas acostumadas ao sol tem uma maior quantidade de melanina na pele ( pelo estimulo a longo prazo) e isso lhes confere uma certa proteção.

 Veja bem: proteção contra a insolação… mas sujeito a todos os riscos inerentes a quem se expõe muito ao sol ao longo da vida, tais como manchas, envelhecimento precoce, rugas, câncer de pele.

Quem toma sol devagar e bem dosado, nos horários permitidos, cada dia um pouco, bronzeia devagar e não queima, não descasca, não sofre insolação. Mas sofre os efeitos do dano solar a longo prazo.  É como quem bebe pouco todo dia… não fica bêbado, mas não exclui outros problemas até mais graves, como uma cirrose.

​​Por outro lado, quem nunca toma sol  tem a cútis muito despreparada para receber uma grande dose de irradiação sem proteção e quando isso acontece,  a pele fica ardida, vermelha e quente, podendo surgir até vesículas e bolhas.

Os sintomas típicos de insolação: pele quente, vermelha e seca inicialmente, depois surgem vesículas, bolhas tensas que as vezes furam espontaneamente e deixam escorrer um liquido amarelado (que depois seca na pele e forma grumos ), dor de cabeça persistente, vômitos, desidratação, queda de pressão, mal estar, desmaio. 

A insolação é um problema sério em qualquer pessoa e o tratamento é sempre voltado para manter a hidratação e a temperatura normal do corpo e recompor a pele lesada. Nos idosos e nas crianças pode ter consequências mais graves pela menor tolerância a agressões necessitando suporte mais imediato. Cuide bem deles!

Prevenção é a melhor opção! Tome sol consciente, com filtro solar e apenas nos  melhores horários – até as 10 da manhã e após as 16 hs da tarde.